Apoiadores ouvem de Bolsonaro: “Pra que intervenção se eu já sou presidente?”

Embora os pedidos de intervenção militar sejam constantes em manifestações, presidente repreendeu a ideia. Disse que seria necessária uma intervenção civil em alguns lugares, sem especificar quais

Na manhã desta terça-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro conversou com apoiadores e questionou pessoas que saem às ruas para pedir intervenção militar, já que ele é presidente do país.

“Pra que intervenção militar se eu já sou presidente? É a esquerda que faz essa faixa aí, só pode ser. Mas pra que intervenção militar se eu já sou presidente? Sou capitão do Exército. Tem que haver é uma intervenção civil em outros lugares, tá?”, disse Bolsonaro.

O visitante dizia a Bolsonaro que as manifestações favoráveis ao governo não tinham placas favoráveis à intervenção militar, e segundo ele, alguns jornais mostraram o contrário.

Bolsonaro também negou a existência de um “orçamento secreto” no governo federal. Ele se referia a uma reportagem do jornal o Estado de São Paulo publicado nesse domingo (9), a qual indica que o governo federal teria montado um “orçamento paralelo” para distribuir emendas do tipo RP9 (emendas do relator) a congressistas para aumentar sua base de apoio. Segundo o jornal, parte dessas verbas teria sido usada para comprar tratores com valores superfaturados.

STF

Leia também:
Ciro Nogueira aceita convite de Bolsonaro para Casa Civil

Um apoiador indagou o presidente sobre uma possível indicação ao Supremo Tribunal Federal de um “ministro terrivelmente evangélico”. No sábado (8), Bolsonaro disse a apoiadores que tem em mente o nome do futuro ministro do STF.

“Quem for reeleito em 2022, indica mais dois. Pessoal não pode achar que vai mudar o Brasil de uma hora para outra, dar um cavalo de pau. A gente bate na tecla de corrupção o tempo todo, zero corrupção no meu governo”, exclamou.

“Outra coisa, se alguém na ponta da linha, nós mandamos dinheiro para os estados, se alguém comprou algo superfaturado eu não tenho essa responsabilidade”, disse Bolsonaro em referência ao montante enviado aos estados e municípios para combater a Covid-19.

Print Friendly, PDF & Email