Após ser tratada no Zoológico, lobo-guará volta à natureza

O animal deu entrada no Zoo de Brasília em 2019 para reabilitação, com diversas fraturas causadas por um atropelamento

A cada segundo, 15 animais silvestres morrem atropelados nas rodovias que cortam o Brasil. O número corresponde a 475 milhões de mortes por ano ou a 1,3 milhão por dia, de acordo com o Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas da Universidade Federal de Lavras (MG).

Dama, uma fêmea adulta de lobo-guará, felizmente não faz parte dessa estatística. Ela deu entrada no Zoológico de Brasília em agosto de 2019, após ser atropelada em uma rodovia em Goiás. Foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros de Goiás e encaminhada à Fundação Jardim Zoológico de Brasília (FJZB) com vários carrapatos, desidratada e uma grave fratura exposta na pata esquerda.

Durante o período em que esteve sob os cuidados da equipe do Hospital Veterinário, Dama foi submetida a mais de quatro cirurgias com o veterinário ortopedista Thiago Brito. Graças ao tratamento especializado que recebeu no Hospital Veterinário da FJZB, ela foi devolvida à natureza, tendo sido solta no Parque Nacional de Brasília.

“O animal chegou ao zoo com a articulação e a pata bem comprometidas. O procedimento que fizemos, chamado de artrodese, foi para estabilizar o membro, por meio de uma placa metálica, para que ela conseguisse voltar a andar”, explica Thiago Brito.

“Além da fratura na região do pé, tínhamos uma infecção persistente no local. Por isso, foi um trabalho bastante delicado, afinal, os animais silvestres são pacientes de difícil tratamento, pois, diferentemente dos animais domésticos, não conseguimos fazer o manejo correto das feridas sem anestesiar, e isso dificulta”, esclarece o especialista.

Depois de se recuperar de todos os procedimentos cirúrgicos a que foi submetida, Dama apresentou uma grande melhora no seu quadro nos últimos meses, o que possibilitou ser encaminhada para soltura, pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), dentro do Parque Nacional de Brasília.

“Fizemos a coleta de sangue dela para analisar sua condição física, e ela estava cada dia melhor e apta para soltura. É muito gratificante ter feito parte da história de vida da Dama e, após salvá-la, poder enviá-la de volta à natureza, lugar de onde nunca deveria ter saído”, afirma a gerente de clínica cirúrgica do Zoológico, Fernanda Mergulhão.

Com informações da Agência Brasília

Print Friendly, PDF & Email