As eleições desse domingo trouxeram diversidade para a Câmara do RJ e SP

Nessas eleições venceu a primeira vereadora negra e o primeiro homem transexual, quebrando o padrão e abrindo espaço para a diversidade na política

Nessas eleições municipais, no Rio de Janeiro e em São Paulo, foram eleitas mulheres que dão vozes a movimentos importantes que acontecem pelo país. Foi eleita a primeira vereadora negra e trans da história de São Paulo, Erika Hilton (PSol), eleita em 6º lugar com 50.508 votos. Também foi eleita Thamy Miranda (PL), primeiro homem transexual da Câmara de Vereadores.

Já no Rio de Janeiro, foi eleita Mônica Benício, viúva da vereadora Marielle Franco, que foi morta a tiros dentro de um carro na Rua Joaquim Palhares, no bairro do Estácio, na Região Central do Rio, por volta das 21h30, em 2018. Seu motorista, Anderson Pedro Gomes, também foi baleado e morreu. Mônica Benício foi a 11ª candidata mais votada ao cargo.

A vereadora escreveu em sua conta do Twitter, “Estamos eleitas! A Câmara Municipal terá uma vereadora assumidamente lésbica! Agradeço imensamente às mais de 22 mil pessoas que votaram por um futuro mandato feminista e antifascista para a Câmara Municipal do Rio! Vamos transformar essa cidades juntas!” .

Outros nomes também se elegeram sob a inspiração de Marielle, como a arquiteta a arquiteta Tainá de Paulo (PT), que conseguiu 24.881 votos e conquistou o 9º lugar.

Direta

O Movimento Brasil Livre conseguiu emplacar três vereadores nessas eleições. Todos eles filiados ao Patriota, partido do candidato a prefeito Arthur do Val. Fernando Holidey foi eleito com 67.715 votos, ficando em 5º lugar.

No Rio de Janeiro, o ex-policial militar Gabriel Monteiro (PSD). Monteiro foi eleito com 60.326 votos. Carlos Bolsonaro (Republicanos), eleito em segundo lugar com 71.000.

A taxa de renovação dos vereadores na capital paulista manteve o padrão registrado nas últimas eleições nas duas votações: No Rio, porém, a taxa menor, 30% um recuo em comparação com a 2016, 35% e 2012, 41%.

Os partidos PSDB, PT, nessas eleições, perderam as forças, mas continuam sendo a maior bancada em São Paulo. Já o PSol e o direitista Democratas, ganharam forças e estarão entre bancadas mais importantes a partir de 2021.

Em são Paulo, Eduardo Suplicy (PT) foi eleito em 2016 com 301.446 e em 2020 conseguiu se eleger novamente com 167.552 votos. Milton Leite (DEM) se reelegeu pela sexta vez, com 132.716 votos.

No Rio de Janeiro, as maiores bandas ficaram com o DEM do ex-prefeito Eduardo Paes, o Republicanos do atual prefeito Marcelo Crivella, ambos disputarão o segundo turno em 29 de novembro. Pelo DEM foi eleito o ex-prefeito Cesar Maia, eleito com 55.031 votos, e o ex-deputado federal Chico Alencar (PSOL), que retorna para a Câmara dos Vereadores com 49.422.

Print Friendly, PDF & Email