O ministro da Economia, Paulo Guedes. fala à imprensa no Palácio do Planalto

Auxílio emergencial: Guedes afirma que o benefício será entre R$ 175 e R$ 375

Os valores a receber serão de acordo com a configuração da família (uma mulher, um homem, um casal…) e a definição final dos valores ficará a cargo do Ministério da Cidadania

Nesta segunda-feira (8), o ministro da Economia, Paulo Guedes anunciou que o valor da nova rodada do auxílio emergencial será entre R$ 175 e R$ 375. A definição final dos valores fica a cargo do Ministério da Cidadania. Guedes afirma que a aprovação da retomada do benefício está cada vez mais próxima.

“Essa é a média (R$ 250), um valor médio, porque se for uma família monoparental, dirigida por uma mulher, aí já é R$ 375; se tiver um homem sozinho, aí já é R$ 175; se for o casal, os dois, aí já são R$ 250. Quer dizer, tem toda uma… isso é o Ministério da Cidadania, nós só fornecemos os parâmetros básicos, mas a decisão da amplitude é com o Ministério da Cidadania”, afirmou Guedes durante entrevista a jornalistas no Palácio do Planalto.

“Sabemos como se enfrenta uma crise: vacinação em massa e auxílio emergencial. Estamos aprovando essa Proposta de Emenda Constitucional (PEC) fiscal”, afirmou Gudes.

A PEC emergencial, que autoriza a retomada do pagamento do auxílio emergencial, foi aprovada pelo Senado Federal na última semana e não determina os valores e nem a duração. O texto ainda aguarda a resposta da Câmara dos deputados que, de acordo com o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), deve ser aprovado até a próxima quarta-feira (10).

“Se nós quisermos reduzir a pobreza e a miséria no Brasil, você tem que dar o dinheiro direto para os mais desfavorecidos, para os mais pobres, que é o que a gente fez, que é a filosofia lá atrás do Bolsa Escola, do Bolsa Família. Agora, o auxílio emergencial acabou seguindo também uma linha semelhante, que é botar o dinheiro onde está o mais pobre e não nos intermediários”, acrescentou Guedes.

Print Friendly, PDF & Email
Leia também:
Segundo Datafolha, maioria vê pandemia controlada no país