Bolsonaro diz que se exercesse pressão pela vacina seria acusado de interferência

Brasil já registra 191.146 mortes pelo novo coronavírus. Presidente afirma que após a aprovação da Anvisa ofertará a vacina a todos.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse no último sábado (26) que não se sente pressionado pelo fato de outros países já terem começado a vacinar a população contra a Covid-19. “Não dou bola para isso”, disse pela manhã, durante passeio que fez por Brasília.

Mais de 40 países, como Estados Unidos, México, Costa Rica, Chile e os 27 da União Europeia, já iniciaram a campanha de vacinação contra a Covid-19.

“Ninguém me pressiona para nada, eu não dou bola para isso. É razão, razoabilidade, é responsabilidade com o povo, você não pode aplicar qualquer coisa no povo”, afirmou o presidente.

Após essa declaração, o presidente Bolsonaro usou uma rede social no domingo (27) para dizer que tem “pressa em obter uma vacina segura, eficaz e com qualidade”.

“O presidente da República, caso exercesse pressões pela vacina, seria acusado de interferência e irresponsabilidade”, escreveu.

“Tão logo um laboratório apresente seu pedido de uso emergencial, ou registro junto à Anvisa, e esta proceda a sua análise completa e o acolha, a vacina será ofertada a todos e de forma gratuita e não obrigatória”, acrescentou.

O Brasil registou 331 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 191.146 óbitos desde o começo da pandemia. A média móvel de mortes no Brasil nos últimos sete dias foi de 625.

Vacinação no Brasil

Em entrevista à TV Brasil exibida na noite de domingo (27), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse esperar que a vacinação contra a Covid-19 em grupos prioritários comece em fevereiro no Brasil.

Pazuello reafirmou que todos os estados receberão a vacina simultaneamente. “Independentemente da quantidade da vacina, ela será distribuída igualitariamente dentro da proporcionalidade dos Estados“.

Segundo o Ministério da Saúde a previsão é de que 24,7 mi de doses da vacina estejam disponíveis em janeiro. O cronograma de distribuição e imunização é um anexo do nosso plano de imunização“, disse Pazuello, ao acrescentar que o cronograma pode sofrer mudanças. “Você faz a previsão quando contrata, mas às vezes adianta, às vezes atrasa, e a gente vai atualizando esse cronograma“.

“São 4 grandes grupos prioritários e, após esses grupos prioritários, que a gente visualiza 30 dias para cada grupo prioritário, a gente começa a vacinar a população dentro das faixas etárias”, disse Pazuello.

Pazuello garantiu que a vacina será voluntária e disponibilizada, de forma gratuita, nas salas de vacinação em cada município. “Nós vacinaremos todos os brasileiros de forma igualitária, de forma proporcional ao número de pessoas por estado, e de graça. Confiem nisso, confiem na estrutura do SUS [Sistema Único de Saúde]. Confiem que aqui existem pessoas que estão realmente trabalhando diuturnamente para que a gente tenha a vacina distribuída o mais rápido possível e a todos os brasileiros”.

Print Friendly, PDF & Email