Bolsonaro envia carta a Biden desejando êxito e diz que quer acordos com os EUA

“Carta de Bolsonaro a Biden indica início de diálogo frutífero”, afirma embaixador do EUA

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) enviou uma carta ao presidente Jose Biden, que tomou posse como o 46º presidente dos Estados Unidos nesta quarta-feira (20). Bolsonaro cumprimentou Biden e destacou a relação firme entre os dois países.

“A relação Bandeira do Brasil e Bandeira dos Estados Unidos é longa, sólida e baseada em valores elevados, como a defesa da democracia e das liberdades individuais. Sigo empenhado e pronto para trabalhar pela prosperidade de nossas nações e o bem-estar de nossos cidadãos”, afirmou o presidente por meio de uma rede social. 

Bolsonaro afirmou que o Brasil tem interesse em fechar um acordo de livre comércio com os Estados Unidos. Fala também em uma parceria para o desenvolvimento sustentável e a proteção do meio ambiente, especialmente da Amazônia, e na contribuição dos dois países para uma ordem internacional centrada na democracia e na liberdade.

Carta construtiva

Todd Chapman, embaixador dos Estados Unidos no Brasil, avaliou a carta como “construtiva”. Em entrevista à rádio CBN, o embaixador afirmou que “uma transição presidencial seja no Brasil, seja nos Estados Unidos, é um tempo de oportunidades, de identificar quais são as prioridades de um lado ou de outro, de buscar entendimentos e de ter um diálogo direto, que não seja através da imprensa”.

Chapman defendeu a realização de reformas econômicas no Brasil, que segundo ele aproximam o país de ser aceito como membro da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômica (OCDE). Segundo Chapman, muitas reformas têm avançado no país, sob o governo atual e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Questionado sobre os riscos de que o Brasil sofra críticas por seu desempenho no meio ambiente, Chapman lembrou que esse é um tema que deve receber “uma ênfase muito grande” do governo de Joe Biden. Sem falar em punições, o embaixador disse que os dois países podem “explorar quais são as oportunidades e chegar a acordos benéficos não apenas para o Brasil e os EUA, mas para o mundo”.

Carta na íntegra

“Senhor Presidente, Tenho a honra de cumprimentar Vossa Excelência neste dia de sua posse como 46º presidente dos Estados Unidos da América.

O Brasil e os EUA são as duas maiores democracias do mundo ocidental. Nossos povos estão unidos por estreitos laços de fraternidade e pelo firme apreço às liberdades fundamentais, ao estado de direito e à busca de prosperidade através da liberdade.

Pessoalmente, também sou de longa data grande admirador dos Estados Unidos e, desde que assume a Presidência, passei a corrigir os equívocos de governos brasileiros anteriores, que afastaram o Brasil dos EUA, contrariando o sentimento de nossa população e os nossos interesses comuns.

Assim, inspirados nesses valores compartilhados, e sob o signo da confiança, nossos países têm construído uma ampla e profunda parceria.

No campo econômico, o Brasil, assim como os empresários de nossos dois países, tem interesse em um abrangente acordo de livre comércio, que gere mais empregos e investimentos e aumente a competitividade global de nossas empresas. Já temos como base os recentes protocolos de facilitação de comércio, boas práticas regulatórias e combate à corrupção, que certamente contribuirão para a recuperação de nossas economias no contexto pós-pandemia. A esses acordos se somam recente Memorando entre o Ministério da Economia do Brasil e o Eximbank, para estimular os financiamentos de projetos, e nosso Acordo de Cooperação para o Financiamento de Projetos de Infraestrutura.

Na área de ciência e tecnologia, o potencial de cooperação é enorme, como ficou ilustrado pelo ambicioso plano de trabalho desenvolvido por nossa Comissão Mista e pela conclusão do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas, que permitirá lançamentos espaciais a partir da base de Alcântara, no Brasil. O mesmo se aplica à área de defesa, com a conclusão de nosso Acordo de Pesquisa, Desenvolvimento, Teste e Avaliação.

Nas organizações econômicas internacionais, o Brasil está pronto para continuar cooperando com os EUA para a reforma da governança internacional. Isso se aplica, por exemplo, à OMC, onde queremos destravar as negociações e evitar as distorções de economias que não seguem as regras de mercado. Na OCDE, com o apoio dos EUA, o Brasil espera poder dar contribuição mais efetiva e aumentar a representatividade da organização. Nosso processo de acessão terá, também, impacto fundamental para as reformas econômicas e sociais em curso em nosso país.

Estamos prontos, ademais, a continuar nossa parceria em prol do desenvolvimento sustentável e da proteção do meio ambiente, em especial a Amazônia, com base em nosso Diálogo Ambiental, recém-inaugurado. Noto, a propósito, que o Brasil demonstrou seu compromisso com o Acordo de Paris com a apresentação de suas novas metas nacionais.

Para o êxito no combate à mudança do clima, será fundamental aprofundar o diálogo na área energética. O Brasil tem uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo e, junto com os EUA, é um dos maiores produtores de biocombustíveis. Tendo sido escolhido país líder para o diálogo de alto nível da ONU sobre Transição Energética, o Brasil está pronto para aumentar a cooperação na temática das energias limpas.

Brasil e Estados Unidos coincidem na defesa da democracia e da segurança em nosso hemisfério, atuando juntos contra ameaças que ponham em risco conquistas democráticas em nossa região. Adicionalmente, temos cooperado para impedir a expansão das redes criminosas e do terrorismo, que tantos males causam a nossos países e aos demais países da América Latina e do Caribe.

Necessitamos também continuar lado a lado enfrentando as graves ameaças com que hoje se deparam a democracia e a liberdade em todo o mundo e que se tornam mais prementes no mundo pós-covid: o crime organizado transnacional; as distorções ao comércio mundial e ao fluxo de investimentos oriundas de práticas alheias ao livre mercado; e a instrumentalização de organismos internacionais por uma agenda também contrária à democracia.

Entendo que interessa aos nossos países contribuir para uma ordem internacional centrada na democracia e na liberdade, que defensa os direitos e liberdades fundamentais de todos e, muito especialmente, de nossos cidadãos. E estamos dispostos a trabalhar juntos para que esses valores fundamentais estejam no centro das atenções, seja bilateralmente, seja nos foros internacionais.

É minha convicção que, juntos, temos todas as condições para seguir aprofundando nossos vínculos e agenda de trabalho, em favor da prosperidade e do bem-estar de nossas nações.

O Brasil alcançou sua Independência em 1822, e os EUA foram o primeiro país a nos reconhecer. Em 1824, foram estabelecidas nossas relações diplomáticas. São dois marcos históricos cujo bicentenário, em futuro próximo, os brasileiros queremos celebrar com nossos amigos americanos.

Ao desejar a Vossa Excelência pleno êxito no exercício de seu mandato, peço que aceite, Senhor Presidente, os votos de minha mais alta estima e consideração”.

Print Friendly, PDF & Email