Cinco dias antes de fuga de Lázaro Barbosa em GO, Justiça determinou transferência urgente para presídio do DF

Há 13 dias, forças policiais especializadas estão na busca por Lázaro Barbosa

De acordo com informações de documentos obtidos pelo G1, cinco dias antes de Lázaro Barbosa de Souza (32) fugir do presídio de Águas Lindas de Goiás, em 2018, a Justiça do Distrito Federal havia ressaltado a necessidade de transferência do detento, “com urgência”, para uma das penitenciárias de Brasília.  

O criminoso é autor de uma chacina que vitimou quatro pessoas da mesma família, no dia 9 de junho, em Ceilândia, DF. Ele vem sendo procurado por uma força tarefa com centenas de agentes de segurança.

Leia também:
GDF prepara mais de 500 voluntários para o combate a violência contra a mulher

Ele foi para o presídio de Águas Lindas após ser preso na cidade, em março de 2018. Antes, Lázaro estava detido no Centro de Progressão Penitenciária (CPP), em Brasília, onde cumpria pena em regime semiaberto por roubos e um estupro. Porém, não voltou de um “saidão”, em 2016.

Após ser recapturado, a Justiça do DF determinou o retorno dele para um dos presídios da capital. A defesa, no entanto, pediu que ele permanecesse na unidade de Águas Lindas, alegando que toda a família vivia na cidade.

Leia também:
GDF prepara mais de 500 voluntários para o combate a violência contra a mulher

Segundo o advogado de Lázaro, a transferência para o DF dificultaria “sobremaneira as visitas do mesmo, haja vista que seu familiar mais próximo é sua mãe, esta já conta com seus afazeres, e deslocar-se até Brasília será extremamente difícil”.

Fuga

Lázaro fugiu do presídio de Águas Lindas pelo teto do prédio. Ele foi o único dos cinco fugitivos que não foi recapturado.

A Polícia Militar de Goiás fez buscas pela região e Lázaro foi encontrado em 31 de julho, no setor de chácaras Quintas das Águas Bonitas. Ele estava em uma moto e fugiu quando viu as viaturas da polícia, conforme o boletim de ocorrência da época.

Leia também:
GDF prepara mais de 500 voluntários para o combate a violência contra a mulher

Na perseguição, Lázaro perdeu o controle da moto e caiu. Trocou tiros com policiais do Grupo de Patrulhamento Tático (GPT) e fugiu para dentro de uma chácara.

Um helicóptero auxiliou nas buscas pelas matas, mas ele não foi mais encontrado.

Print Friendly, PDF & Email