Com nomeação de Ciro Nogueira, Bolsonaro fortalece Centrão, contrariando declarações anteriores

Segundo aliados de Ciro Nogueira e do mandatário, Bolsonaro concordou com a demanda e afirmou que o novo ministro terá liberdade para trabalhar

O presidente Jair Bolsonaro nomeou o senador Ciro Nogueira (PP-PI) ministro da Casa Civil. O ato foi publicado na edição dessa quarta-feira (28) do Diário Oficial da União (DOU). O parlamentar está se movimentando para cumprir as missões delegadas por Bolsonaro, em especial, a de melhorar a interlocução do governo com o Congresso nacional.

Após reunião com Bolsonaro e outros ministros, Nogueira fez contato com colegas de Parlamento para mostrar que está disposto a estreitar a relação entre os Poderes.

Nogueira tem bom trânsito entre deputados e senadores por ser um dos principais nomes do Centrão no Congresso. Ele informou que quer recuperar as funções originais da Casa Civil, especialmente a de assistir Bolsonaro na coordenação política do governo.

Leia também:
Bolsonaro diz que não tomará a vacina

Nogueira dará ouvido aos interesses do Parlamento. O trabalho deve garantir que deputados e senadores consigam indicar recursos do Orçamento federal para suas bases eleitorais e, em contrapartida, ampliar o apoio a Bolsonaro, que aposto no jogo de interesses para não ver o governo ser derrubado pelo Congresso.

Entre os assuntos mais urgentes para o governo, estão as sabatinas do advogado-geral da União, André Mendonça, indicado para o Supremo Tribunal Federal, e do procurador-geral da República, Augusto Aras, escolhido por Bolsonaro para seguir na instituição por mais dois anos.

Leia também:
Ibaneis faz elogios ao MDB e diz que seguirá no partido

O congresso se mobilizará, no próximo mês, para analisar o possível veto do presidente ao fundão eleitoral de R$ 5,7 bi.

A maior aproximação de Bolsonaro com o Centrão, com a chegada de Nogueira, é uma tentativa de estancar as crises pelas quais passa o Executivo. Se, na campanha eleitoral de 2018, o então candidato ao Planalto levantou a bandeira da rejeição à “velha política” e ao “toma lá, dá cá”.

Com a estratégia, Bolsonaro também age pensando em 2022. Ele espera que a presença de Nogueira no governo aumente a sua popularidade no Nordeste, onde o seu principal rival, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), tem um forte eleitorado. “Conheço o Ciro de algum tempo. No Nordeste, era quase impossível você fazer campanha sem estar com o PT ao teu lado. Eu reconheço isso. E as pessoas mudam. O Ciro está feliz. Ele falou para mim que o sonho dele era ocupar um ministério como esse”, disse Bolsonaro, ontem, à Rede Nordeste de Rádio.

Print Friendly, PDF & Email