Consumo de água no DF aumenta e volta aos níveis anteriores à crise hídrica de 2016

Pesquisa da Codeplan aponta que os níveis de consumo de água no DF retomaram aos padrões anteriores pré-crise hídrica de 2016

Nessa quarta-feira (24), a Companhia de Planejamento do Distrito federal (Codeplan) divulgou o estudo “Consumo de água trada no Distrito Federal: um retrato pós crise hídrica”. O relatório mostrou que após a crise que levou ao racionamento, em 2016 a população retomou os padrões anteriores de consumo. Entre 2016 e 2018, o DF enfrentou uma grade crise hídrica. Os principais reservatórios usados para o abastecimento da população ficaram abaixo do volume útil e medidas como racionamento entraram em vigor.

Segundo Jean Lima, presidente da Codeplan, “mais do que entender e analisar o consumo de água pós-crise hídrica, o estudo pretende subsidiar políticas públicas para a gestão dos recursos hídricos no Distrito Federal e fomentar campanhas de conscientização para o uso consciente da água, a fim de evitar novas crises”.

Consumo

O relatório mostrou que o DF sofreu redução de consumo durante 2017 e 2018, devido às medidas empregadas para o enfrentamento da crise hídrica. No segundo semestre de 2018, o consumo teve uma pequena alta quando comprado ao ano anterior.

Em 2017, primeiro ano de racionamento, observou-se uma redução de 9,55% no consumo em relação ano anterior. Em 2018, houve um aumento de 0,77% no consumo com relação a 2017.

Na pesquisa também foi comparado o total consumido em 2019 com o consumo no ano de 2016, que foi constatada uma redução de 1,95%. O consumo de água no DF, em 2019, já estava bem próximo ao consumo de antes da crise hídrica.

Categorias

O consumo de água em Brasília está divido da seguinte forma: uso urbano (80%); irrigação (16,3%); uso animal (2,0%); uso rural (1,5%), uso industrial (0,2%).

Dente as categorias de consumo de água, o maior uso refere ao residencial, representando nos anos analisados de 82,5% a 84% do consumo total. Com uma proporção variável de 9,5% a 10% o segundo maior é o comercial.

Segundo o relatório, o consumo público varia entre 6% e 7%. O menor consumo é o industrial, que de 2016 a 2019 não ultrapassou 0,5% do total.

Conscientização

Segundo a Codeplan, no DF mais de 80% da água distribuída pela Caesb é destinada ao consumo residencial. “A participação, incentivo e conscientização da população é fundamental para a redução e consumo consciente”.

Os pesquisadores observaram que as cidades do grupo de média, baixa e baixa renda já apresentam, em sua maioria, consumo abaixo do recomendado pela OMS, que é de 110 litros por capita diários.

“O menor consumo se dá em virtude, muitas vezes, da própria renda, do padrão de moradia e do peso da conta de água no orçamento familiar”, diz a pesquisa.

O estudo conclui que a conscientização deve ser reforçada nas regiões dos grupos de renda alta e média alta, “uma vez que essas apresentam os maiores consumos”.

Print Friendly, PDF & Email