Cortes de benefícios serão usados para bancar o Programa Renda Brasil

Os cortes serão feitos para que o Renda Brasil entre em vigor sucedendo o Bolsa Família

O líder do governo no Senado, senador Fernando Bezerra, disse que cortes de incentivos é algo normal para bancar novos programas, e aumentar o valor da bolsa família em 2021 para conseguir emplacar o renda Brasil, como o proposto por Jair Bolsonaro.

“Precisamos ter um programa que suceda o Bolsa Família, que precisaria ter um público maior e, se possível, um valor médio de benefício maior” disse Bezerra.

Cortar gastos de alguns benefícios é algo complicado, como é o caso da cesta básica e do micro e pequenas empresas, porém candidatos a diminuição de subsídios e incentivos entram em maior parte no comercio, saúde e agricultura.

“São os candidatos naturais a abrir espaço fiscal para viabilizar o programa de proteção social, que vai ser quase uma necessidade imperativa da sociedade brasileira. Nós vamos ter de cortar incentivos e subsídios”, afirma Bezerra.

Há impedimentos para bancar o novo programa, um possível encostamento no teto de gastos que impede crescimento de despesas maiores que a inflação, se isso acontecer a implementação do Renda Brasil demoraria mais, ocasionando outros cortes.

Porém fazer cortes não é algo fácil e rápido, alguns benefícios estão previstos em lei, seria necessário muda-las levando de 90 dias até um ano para que possam entrar em vigor.

O diretor da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Josué Pellegrini, afirma que deve ser algo planejado, “Teria de ser uma coisa planejada, fazer as mudanças em tempo hábil para aprovar o Orçamento com essa inclusão de retirada do benefício e considerar os prazos que existem para vigorar” conclui.

Print Friendly, PDF & Email