Crimes violentos no DF tem redução significativa de 14%

De acordo com o secretário de Segurança, esse número é resultado de políticas públicas adotadas pelo GDF para estancar a violência urbana  

De acordo com levantamento mais recente da Secretaria de Segurança Pública, o Distrito Federal fechou os oito primeiros meses de 2021 com uma redução de 14,7% nos chamados Crimes Violentos Letais Intencionais (homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte).

Segundo as estatísticas, houve uma redução de 17,4% nos seis crimes contra patrimônio monitorados pela pasta: transporte coletivo, transeunte, furto em veículo, a residência, de veículo, e em comércios. 

Houve redução de 3,7 mil registros de furtos e roubos no DF que, de acordo com o governo, esses crimes impactam diretamente na sensação de segurança dos moradores.

Leia também:
Ibaneis dá boas-vindas aos novos integrantes do programa Jovem Candango

Os roubos em transporte coletivo tiveram uma das quedas mais expressivas: 45,6%, passando de 720 ano passado, para 392 este ano.

Para Júlio Danilo, secretário de Segurança, o alto percentual de resolução de crimes, o enfrentamento ao tráfico de drogas e ao porte ilegal de armas feito pelas forças de segurança; além do tempo resposta do Corpo de Bombeiros no atendimento às vítimas foram importantes na redução das tragédias urbanas. “A identificação e prisão de autores impacta a incidência desse tipo de crime, pois impede a reincidência”.

Leia também:
Mais de 90 espaços públicos reformados, Renova DF capacita 848 aprendizes

A atuação da inteligência das forças, com foco na mancha criminal e levantamentos da realidade das microrregiões é outra estratégia citada pelo secretário de segurança, com resultados positivos. “Com o apoio do governador Ibaneis Rocha, estamos avançando com o programa DF Mais Seguro, que é a base das ações de Segurança Pública até o final de 2022. Cabe destacar, ainda, a importância do trabalho integrado entre as forças de segurança para que superássemos os bons números conquistados nos últimos dois anos”.

Print Friendly, PDF & Email