De acordo com site, mensagens indicam que Bolsonaro participou diretamente de negociação com Davati

A Davati é a empresa que tentou fechar, com a ajuda do reverendo Amilton de Paula e do cabo da PM Luiz Paulo Dominghetti, um contrato bilionário de venda de vacinas com o Ministério da Saúde

Trocas de mensagens encontradas no celular do cabo da Polícia Militar (PM) Luiz Paulo Dominguetti mostram a participação direta do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nas negociações para a compra de vacinas contra a Covid-19 por meio da Davati.

Nas mensagens, obtidas pelo site o Antagonista, Dominguetti conversa com o contato “Rafael Compra Deskartpak”, outro representante da Davati.

No dia 8 de março, às 10h05, Dominguetti reencaminhou para Rafael a mensagem:  “Manda o SGS (certificado de garantia do imunizante). Urgente. O Bolsonaro está pedindo”. O SGS é um certificado que garante que o produto passou por todas as etapas dos processos exigidos por órgãos reguladores.

Leia também:
CPI da Covid: Renan Calheiros entrega relatório a senadores do G7 com 71 indiciados

O pedido de envio do certificado teria sido feito pelo reverendo Amilton Gomes de Paulo, suspeito de ser o intermediário na transação comercial entre a empresa e o governo federal.

Em resposta a Dominguetti, “Rafael Compra Deskartpak” teria afirmado que naquele momento não seria possível mandar o documento. 

Dominguetti, mais tarde, voltou a mandar mensagem para o mesmo contato solicitando uma reunião com o presidente da Davati nos Estados Unidos, Herman Cárdenas.

“O reverendo está em uma situação difícil neste momento. Ofereceu a vacina no ministério. Presidente chamou ele lá”, escreveu o policial militar.

Leia também:
Dólar tem forte alta, juros futuros disparam e Ibovespa cai após fala de Guedes

Logo na sequência, Dominghuetti faz um desabafo em áudios e cobra uma resolução por parte da representação da Davati.

“A gente tem que achar uma maneira de se resolver isso nos próximos minutos aí, com o Herman ou por o Herman pra conversar com ele, porque essa SGS é o que vai fazer o presidente tomar essa decisão. Porque até agora a Davati não falou que tem carga nenhuma. E a situação do reverendo tá muito difícil nesse momento”, diz o PM nos áudios.

Print Friendly, PDF & Email