DF legal monitora redes sociais para barrar possíveis festas clandestinas

Segundo o secretário do DF Legal, existe uma equipe monitorando todas as redes sociais. A multa por pessoa em festa clandestina é de R$ 2 mil 

Em coletiva de imprensa realizada na quarta-feira (10) no Palácio do Buriti, o secretário de Proteção da Ordem Urbanística do DF, Cristiano Mangueira, disse que uma equipe de inteligência digital do DF Legal está monitorando as redes sociais para descobrir a realização de possíveis festas clandestinas e eventos proibidos no Distrito Federal.

Leia também:
Brasil registra menor média móvel de mortes desde o início da pandemia

No atual momento, aglomerações e festas clandestinas são os principais causadores da disseminação do novo coronavírus. O secretário Cristiano Mangueira afirma que o principal objetivo da ação é antecipar o planejamento a fim de que as operações sejam ainda mais eficazes para coibir aglomerações, principalmente no atual período de alta contaminação pela Covid-19 entre os brasilienses.

“Temos equipes monitorando as redes sociais. A multa por pessoa em festa clandestina é de R$ 2 mil, e a do promotor [do evento] é de R$ 20 mil, sem prejuízo para outras sanções, inclusive a de serem conduzidos a uma delegacia de polícia por infringirem o artigo 268 do Código Penal, que trata da periclitação da vida e da saúde”, explicou Cristiano Mangueira.

O titular do DF Legal, ressaltou que a população tem respeitado o lockdown e o toque de recolher “O número é bastante interessante, porque a população tem respeitado o lockdown. Às 22h30, praticamente a cidade está parada e esses números positivos vão ser refletidos daqui a 15 dias [tempo do ciclo do vírus no corpo]”. 

Cristiano Mangueira falou que desde as novas medidas restritivas a força-tarefa atua com excelência. “Alcançamos 11.386 vistorias. Desse total, foram abordados 331 estabelecimentos que estavam abertos e 32 deles foram interditados, grande parte sendo distribuidoras de bebidas. Ontem [terça, 9/3], duas pessoas foram multadas por terem se recusado a usar máscaras”, detalhou.

Print Friendly, PDF & Email