DF vai ganhar nova sede do IML, que será uma das maiores da América Latina

DF vai ganhar nova sede do IML, que será uma das maiores da América Latina

Em publicações no Instagram, Ibaneis ressaltou que o edifício vai proporcionar “mais eficiência” ao trabalho da polícia

Nesta terça-feira (13), foi assinada a ordem de serviço para a construção da nova sede do Instituto de Medicina Legal do Distrito Federal (IML). A obra, orçada em R$ 34,8 mi, é mais uma atuação do Governo do Distrito Federal dentro da política de valorização das forças de Segurança Pública.

O projeto, que será erguido dentro do Complexo da Polícia Civil (SPO/SUL, lote, conjunto A), terá mais de 11,8 mil metros quadradas de área construída. O espaço vai oferecer serviços essenciais como cartório de registros públicos, serviços de assistência social e central de captação de órgãos.

A centralização dos serviços cartorários e de assistência social propicia ao cidadão acesso rápido ao procedimento legais necessários, principalmente durante a perda familiar. Diminui o tempo de espera para a liberação de corpos e reduz custos desnecessários de deslocamento.

O espaço de captação de órgãos e tecidos para doação vai permitir que o DF ampliar sua atuação na Política Nacional de Transplantes de Órgãos e Tecidos.

“Estou muito alegre. Este prédio é mais do que merecido. Ele vai trazer mais condições de trabalho para que a gente possa elucidar ainda mais os crimes que, infelizmente, ainda acontecem”, afirma Ibaneis Rocha durante o lançamento da pedra fundamental da obra.

“O novo IML vai colocar a PCDF na vanguarda da tecnologia e do desenvolvimento. Isso nos deixa muito felizes. É uma obra que se inicia de imediato e estaremos aqui futuramente para inaugurá-la”, acrescenta o chefe do Executivo local.

Para o delegado-geral da PCDF, Robson Cândido, o novo IML será um dos melhores do mundo. “A estrutura não ficará para trás daqueles que já conhecemos. A PCDF fez uma reestruturação nos últimos dois anos e o senhor, governador, assumiu a postura de investir e agora estamos em outro patamar”, avalia Cândido.

O secretário de Segurança Pública do DF, delegado Júlio Ferreira, disse que o investimento contribui para a corporação ocupar o posto de uma das melhores do país. “É fundamental que a gente siga equipando e investindo nas nossas polícias”, pede.

Além disso, a construção irá gerar de 200 a 300 novos postos de trabalho. A obra foi viabilizada junto ao Ministério da Justiça e a Caixa Econômica Federal. A PCDF firmou convênio com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) e o valor para o novo IML veio de emendas da bancada federal do DF, entre deputados e senadores.

Estrutura

Cerca de 100 mil pessoas passam pelo local anualmente, onde são feitos, neste mesmo intervalo, 55 mil exames periciais. Para que toda essa movimentação ocorra da melhor forma, o novo edifício separa fisicamente as atividades desempenhadas no atendimento aos vivos e no atendimento relacionado aos cadáveres, contando, inclusive, com acessos distintos.

Da mesma forma, foram projetados acessos separados para custodiados e para vítimas que necessitam ser submetidas a perícias. As construções contemplam ainda as normas de acessibilidade para pessoas portadoras de necessidades especiais e também para aqueles em situações fragilizadas, como vítimas de abuso sexual e crianças.

“Vai ser um dos maiores IMLs [da América Latina] proporcionalmente e com possibilidade de recursos que vemos em países de primeiro mundo. O objetivo é resolver a maior parte das demandas de uma forma mais ágil e confortável”, diz a diretora do IML, Márcia Cristina Barros e Silva dos Reis.

Ainda segundo a diretora do IML, a humanização do atendimento será um ponto forte com essa nova estrutura, que ganhará uma praça ecumênica.

“A gente espera proporcionar à população do DF um ambiente com mais recursos para um atendimento mais humanizado e confortável. As pessoas vêm aqui em momentos complicados da vida e é necessário esse acolhimento da população. Vamos poder trabalhar e desenvolver novas tecnologias que vão reverter em prol da Justiça, da população e das investigações”, comenta.