O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia alusiva à marca de 100 milhões de poupanças sociais digitais Caixa.

“Dignos de dó e pena”, diz Bolsonaro sobre atos da oposição realizados no domingo

Convocados pelo MBL e pelo Vem pra Rua, os atos aconteceram em várias capitais, mas sem adesão de organização

Nesta segunda-feira (13), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que as pessoas que participaram das manifestações contra o governo no domingo (12) e a favor de uma 3ª via são dignas de “dó e pena”.

“A maioria da população é de bem. Essa minoria que é contra e foram às ruas ontem são dignos de dó, de pena”, disse em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

As manifestações foram realizadas em várias capitais do país, mas tiveram baixa adesão.

Leia também:
Bolsonaro afirma que preço alto dos combustíveis também é culpa do “9 dedos”

O presidente disse que em São Paulo manifestantes falaram sobre a primeira-dama Michelle Bolsonaro para tentar atingi-lo. “É sinal que não têm razão, perderam a noção da realidade e vão para questões pessoais da família da gente. Não vão me tirar daqui com isso, mas de jeito nenhum, de jeito nenhum”.

O chefe do Executivo defendeu que a população se informe e tenha “conhecimento” para vence “obstáculos”.

“Se o Brasil aqui tiver um caos, uma convulsão social, não vai ser diferente da Venezuela, de Angola, e do que está acontecendo em outros países também. Então, é se preocupar, se informar, ver aquele provérbio bíblico ‘por falta de conhecimento meu povo pereceu’. Tem que ter conhecimento para vencer os obstáculos e sair lá na frente”.

Leia também:
Após baixa adesão em atos contra Bolsonaro, líderes de centro-esquerda querem atrair PT para manifestações

Ele falou sobre a “parábola do sapo fervido” ao criticar países que concederam benefícios sociais para sua população, como Venezuela.

“Não tem paraíso aqui na Terra. Ninguém veio aqui para ficar no paraíso. Quem acha que veio para cá para ser feliz as custas dos outros, do Estado, está enganado”…

“Quando você vê, a água ferveu demais. O sapo está relaxado, não tem mais força para sair da panela, ele vai virar sopa. É assim que começam aí os regimes de exceção e terminam da forma mais trágica possível como o da Venezuela”, afirmou….

Print Friendly, PDF & Email