Educação: GDF destina R$ 10 mi para ampliação de escolas

Além de conforto para alunos, pais e professores, as novas estruturas vão reduzir custos da Secretaria de Educação com o transporte escolar de crianças que precisavam se deslocar em maiores distâncias para estudar

No domingo (9), o Governo do Distrito Federal (GDF) anunciou a destinação de R$ 10 mi para a ampliação de escolas públicas. Dessa forma, garantir o distanciamento social quando as aulas forem retomadas no Distrito Federal. Ao todo, serão 11 blocos construídos em unidades de ensino localizadas em Samambaia, Taguatinga e Águas Claras.

Leia também:
CLDF aprova criação da carreira de magistério superior para Universidade do DF

Segundo a Secretaria de Educação, os recursos foram liberados à Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) para a ampliação dos espaços, que contará com mais seis salas de aula em cada uma das unidades.

As obras vão permitir o desafogamento de turmas e a possiblidade de transferência de estudantes para aulas mais perto de casa, o que também vai reduzir custos com o transporte escolar.

As obras serão feitas em módulos padronizados. São sete estruturas diferentes com tamanhos que variam de 874,9 a 1.185,  m², de acordo com as necessidades de cada unidade.

Leia também:
DF registra a menor taxa de transmissão por Covid-19 em 99 dias

Cada sala de aula possui área de 43,8 m² e capacidade para 35 alunos, de acordo com o Decreto nº 20.769, de 1999. Os blocos contam ainda com pátio descoberto, áreas de circulação e de convivência e canteiros.

“Os módulos são uma solução eficiente e de baixo custo para atender regiões onde a demanda de alunos vem aumentando”, explicou o secretário de Educação, Leandro Cruz.

A proposta foi desenvolvida considerando seis salas de aulas, dois banheiros para pessoas com deficiência e dois para uso geral. A estrutura será convencional, com vedação em alvenaria, cobertura metálica e telhas termoacústicas, que diminuirão o calor e o barulho. A previsão de início das obras é de até 30 dias.

“Vamos conseguir atender as recomendações do Ministério Público [do DF] em manter turmas menores com alunos com necessidades especiais e abrir novas vagas para possíveis transferências daqueles que estão em escolas longes de casa”, afirmou a coordenadora da Regional de Ensino de Samambaia, Maria Elizabete Ferreira.

Segundo Maria Elizabete, a crise econômica desencadeada pela pandemia fez com que a rede pública recebesse mais estudantes em 2020. Desde março do ano passado, as aulas presenciais estão suspensas, mas ela aposta que a ampliação trará benfeitorias às unidades da região.

Print Friendly, PDF & Email