O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante entrevista coletiva após Cúpula de Líderes sobre o Clima.

“Ele pediu para sair. Ele que tem que falar por quê”, diz Bolsonaro sobre seu ex-ministro, Ricardo Salles

No cargo desde o início do governo, em janeiro de 2019, Salles é alvo de investigações no Supremo Tribunal Federal 

O presidente Jair Bolsonaro exonerou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Na quarta-feira (23), a exoneração foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. No mesmo decreto, Bolsonaro nomeou Joaquim Alvaro Pereira Leite como novo ministro.

Até então, Leite ocupava o cargo de secretário da Amazônia e Serviços Ambientais do ministério.

Ao participar de uma cerimônia no Palácio do Planalto, na qual o governo anunciou o Plano Safra 2021-2022, Bolsonaro elogiou Salles.

“Prezado Ricardo Salles, você faz parte da história. O casamento da Agricultura com o Meio Ambiente foi um casamento quase que perfeito. Parabéns, Ricardo Salles. Não é fácil ocupar seu ministério. Por vezes, a herança fica apenas uma penca de processos”.

Um apoiador questionou a saída de Salles, Bolsonaro rebateu. “Não tem declaração. Ele pediu para sair. Ele pediu para sair, então ele que tem que falar por quê”.

Leia também:
Até novembro, Ibaneis entregará 7 novas UPAs

Ele coletiva no Palácio do Planalto, Salles disse que, apesar de ter o trabalho contestado nos dois anos e meio que esteve no governo, jamais feriu os princípios constitucionais. “(É) Uma tentativa de dar a essas medidas um caráter de desrespeito à legislação, de desrespeito à Constituição, o que não é absolutamente verdade”.

Polêmicas

Em uma reunião ministerial de 22 de abril de 2020, no Palácio do Planalto, Ricardo Salles sugeriu a Bolsonaro que o governo aproveitasse que a atenção da impressa estava voltada para a pandemia da Covid-19 para “ir passando a boiada” na área ambiental.

Leia também:
“Devo, não nego; pagarei assim que puder”, diz Guedes sobre precatórios

Ele também é alvo de inquérito, autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), por suspostamente ter atrapalhado investigações sobre a maior apreensão de madeira da história.

No Ministério do Meio Ambiente, Salles entrou em atrito com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) quando o órgão divulgou dados de desmatamento.  

Print Friendly, PDF & Email