O médico cardiologista Marcelo Queiroga, indicado para ser o novo ministro da Saúde, e o atual ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, falam à imprensa no Ministério da Saúde.

Em cerimônia discreta, Bolsonaro dá posse a Queiroga como o novo ministro da Saúde

Queiroga é o quarto ministro da Saúde do governo Bolsonaro. Ele irá assumir o ministério no pior momento da pandemia

Nesta terça-feira (23), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deu posse para o médico Marcelo Queiroga como o novo ministro da Saúde, em uma cerimônia discreta no Palácio do Planalto. Inicialmente, a expectativa era de que Queiroga tomasse posse na quinta-feira (25), mas o prazo foi adiantado para que ele possa participar com Bolsonaro da reunião que ocorrerá nesta quarta-feira (24).

Leia também:
De acordo com site, mensagens indicam que Bolsonaro participou diretamente de negociação com Davati

O novo ministro vai substituir Eduardo Pazuello no pior momento da pandemia de Covid-19, com o país vivendo uma crise sanitária devido ao novo coronavírus. O Brasil já soma mais de 295 mil mortes pela Covid-19.

Antes dele, passaram pelo ministério da Saúde Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e o general Eduardo Pazuello, que deve assumir o Programa de Parcerias e Investimentos (PPI).

As mudanças devem ser oficializadas em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) ainda nesta terça-feira (23).

Leia também:
Ministério da Saúde admite ineficácia de cloroquina

Marcelo Queiroga é presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia. É formado em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Concluiu a residência em cardiologia no Hospital Adventista Silvestre, no Rio de Janeiro. Tem especialização em cardiologia, com área de atuação em hemodinâmica e cardiologia intervencionista.

Na terça-feira (16), um dia após a sua indicação, o novo ministro afirmou que era necessária a “união da nação” para enfrentar a “nova onda” da pandemia da Covid-19.

Na ocasião, Queiroga fez um pronunciamento que defender o Sistema Único de Saúde (SUS) e citou a importância das “evidências científicas” em futuras ações da pasta.

Leia também:
Covid-19: população do DF com mais de 70 anos está 100% imunizada

Em seu discurso, se mostrou preocupado com o impacto da pandemia da Covid-19 na economia. “É preciso unir esforços do enfrentamento da pandemia com a preservação da atividade econômica”, disse o novo ministro.

Print Friendly, PDF & Email