Em depoimento à CPI da Covid, Osmar Terra nega existência de gabinete paralelo

Osmar Terra é apontado como um dos principais influenciadores do presidente Jair Bolsonaro na pandemia de Covid-19

O deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) presta depoimento à CPI da Covid-19 nesta terça-feira (22). Ele classificou como “ficção” a existência de um suposto “gabinete paralelo” de assessoria ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre medidas de enfrentamento da pandemia de Covid-19.

Terra é apontado como um dos principais influenciadores do presidente na pandemia. O deputado negou que tenha apresentado uma proposta de “contaminar a população livremente”.

“Imunidade de rebanho é uma consequência, é como terminam todas as pandemias, quando a população, por vacina, e nesse caso deve ser por vacina, ou não, chega a um porcentual que termina com a pandemia”.

Ele criticou as medidas de restrição adotados por governadores e prefeitos para conter a disseminação da Covid-19, apesar da orientação de autoridades sanitárias. “Se isolamento funcionasse, ninguém morria em asilo”.

Leia também:
DF recebe 21 mil doses da Pfizer nesta sexta-feira

Ele se antecipou ao comentar as previsões “furadas” feitas por ele no ano passado quando disse que a pandemia duraria 14 semanas e seria menos grave do que a H1N1. Terra criticou  “estudos apocalípticos” sobre o número de mortes.

“As previsões que eu fiz não foram baseadas num estudo matemático apocalíptico como do Imperial College, mas aos fatos que existiam na época. Em fevereiro e março, os fatos concretos eram a epidemia da China. Ela começou, subiu, desceu e terminou. Tem 4 mil mortos na China até hoje. Isso nos levou à ideia de que não seria tão grave”.

Print Friendly, PDF & Email