“Espantada”, diz mãe de Ciro Nogueira após tomar posse no Senado

Eliane Nogueira nunca exerceu cargo político e chega ao Senado como suplente de Ciro

Eliane Nogueira, mãe do novo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, assumiu na quarta-feira (28), a vaga do filho no Senado. Primeira suplente de Nogueira e sem experiência em cargos políticos.

“Lembro como se fosse ontem do dia em que fui escolhida para ser a primeira suplente de meu filho na chapa que concorreria ao Senado”, afirmou a nova senadora em postagem no Instagram. “Apesar de inicialmente espantada, reforcei que estou à disposição para fazer o melhor pelo povo do meu Estado”.

Ela escreveu que os sentimentos de espanto e disposição se repetem. “É com esse mesmo sentimento que assumo hoje oficialmente o posto de senadora da República pelo Estado do Piauí”. 

Leia também:
CLDF aprova projeto para isenção de IPVA a pessoas com deficiência

Ciro Nogueira postou uma fotografia com a mãe. “Tive que pedir uma foto com a nova senadora do Piauí”, brincou o novo ministro.

Eliane tem 72 anos, é natural de Teresina (PI) e também é filiada ao Progressista. partido presidido pelo filho. Ela foi eleita na chapa de Ciro ao Senado, pelo Piauí, nas eleições de 2018.

Investigação

Eliane já esteve envolvida, junto com o filho, em investigação do Supremo Tribunal Federal (STF) que apura repasses ao Progressistas para apoiar a eleição de Dilma Rousseff, em 2014. Foram apreendidas, na época, na casa da família cerca de 11 mil euros e 9 mil dólares.

Leia também:
“O que Alcolumbre está fazendo não se faz”, afirma Bolsonaro sobre vaga no STF

A apreensão foi feita com base em investigação que teve como origem os depoimentos prestados por colaboradores do Grupo J&F, dono da JBS, que disseram ter repassado cerca de R$ 43 milhões ao Progressistas. 

Em nota divulgada quando Nogueira foi escolhido para a Casa Civil, o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse que o senador “foi colocado sob foco de investigação num momento no qual havia, claramente, uma tendência de criminalização da política”.

Print Friendly, PDF & Email