“Eu queria vacina! Vocês queriam propina!”, diz Randolfe em resposta a Bolsonaro

Bolsonaro afirma que Randolfe está aliado ao presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), e a Renildo Calheiros, irmão do relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL)

Na segunda-feira (19), Jair Bolsonaro (sem partido) e o senador Randolfe Rodrigues (Sustentabilidade) discutiram nas redes sociais. Bolsonaro acusou o vice-presidente da CPI da Covid de negociar a compra de 20 mi vacinas da Covaxin sem licitação e sem a certificação da ANVISA. Segundo Randolfe, enquanto Bolsonaro queria “propina”, ele queria “vacinas”.

Leia também:
Bolsonaro anuncia Augusto Aras para novo mandato no comando da PGR

“É lógico que eu queria vacina o mais rápido possível. Salvar vidas, pra gente, não é brincadeira e não é algo que se negocie com intermediários. Queria a Janssen, a Covaxin, a AstraZeneca, a CoronaVac, a Pfizer… Nossa diferença é grande: eu queria vacina! Vocês queriam propina!”, publicou Randolfe.

Bolsonaro compartilhou vídeo em que Randolfe aparece defendendo a autorização de uso emergencial das vacinas Sputnik V e Covaxin pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). As vacinas tinham autorizações de uso em outros países, mas no Brasil ainda não havia sido autorizado.

Leia também:
De acordo com especialistas, serão necessários muitos ajustes para aprovar Bolsa Família de R$ 300

Para Bolsonaro, a atitude de Randolfe estava aliado ao presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), e a Renildo Calheiros, irmão do relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL). Bolsonaro afirmou que “via emendas” os citados fizeram de “tudo” para que governadores e prefeitos pudessem comprar vacinas “a qualquer preço”.

Leia também:
Nesta sexta-feira, DF começará a vacinar pessoas a partir de 37 anos contra a Covid-19

Randolfe afirmou que a conta é pega pelo “povo brasileiro” e não pelo presidente do país e que fez emendas porque o governo federal não garantiu a compra de imunizantes e “sempre foi contra a vacina”.

Em entrevista à CNN, Randolfe afirmou que “chega a ser ridículo o tipo de desespero do Presidente da República”. O comentário foi feito após o parlamentar ser questionado sobre os ataques feitos nas redes sociais. Randolfe disse que o vídeo publicado por Bolsonaro foi ao ar após ser assinado um contrato superfaturado com a Precisa Medicamentos.

Print Friendly, PDF & Email