Fiscalização resgata homem que vivia em condições análogas à escravidão, no Entorno, e adolescente que trabalhava em fazenda no DF, em Planaltina

A operação começou no dia 11 de agosto e se encerrou nesta terça-feira (17)

Em operação que começou no dia 11 de agosto e se encerrou na terça-feira (17), um homem de 48 anos foi resgatado pelo Grupo Especial de Fiscalização Móvel, coordenado pela inspeção do Trabalho do Ministério do Trabalho, em condições análogas à escravidão em uma fazendo no município de Formosa, no Entorno do Distrito Federal. Em Planaltina, um adolescente de 15 anos também foi retirado da fazendo onde trabalhava. Ele recebeu uma indenização dos empregadores.

Leia também:
Setembro teve menor número de crimes contra a vida em 22 anos

De acordo com a fiscalização, o homem resgatado em Formosa foi contratado pelo empregador para cuidar do gado da fazenda. Dessa forma, o funcionário teria que morar no local com a família. Mas, de acordo com os auditores, as condições da casa onde eles moravam “eram degradantes”, sem água encanada e energia elétrica.

“A casa onde eles moravam tinha o piso cimentado e buracos por onde passavam bichos de todas as espécias como ratos e escorpiões” afirmou o auditor fiscal do trabalho, Maurício Krepsky.

Leia também:
Setembro teve menor número de crimes contra a vida em 22 anos

Próximo à casa ficava uma mineradora, e, de acordo com os fiscais, o pó se acumulava pelo local e fez com que a família desenvolvesse problemas respiratórios.

“A situação mais agravante que se verificou é que a casa ficava a menos de 100 metros de uma mineradora de calcário. O pó era extremamente presente no ar daquela casa, nos alimentos”, disse o auditor.

Já o adolescente foi retirado pela fiscalização de uma fazenda na zona rural de Planaltina, no Distrito Federal.

Leia também:
Setembro teve menor número de crimes contra a vida em 22 anos

O menino de 15 anos trabalhava cuidando do gado. Ele foi afastado do trabalho e recebeu o valor de R$ 3.642,41 referente aos direitos trabalhistas devidos.

A Convenção nº 182 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) foi ratificada e adotada pelo Brasil em 2000, proibindo no país o emprego de crianças e adolescentes e estabelecendo proteção quanto às piores formas de trabalho infantil.

Print Friendly, PDF & Email