Brazilian President Jair Bolsonaro (R) and Vice-President Hamilton Mourao listen to the national anthem during the appointment ceremony of the new heads of public banks, at Planalto Palace in Brasilia on January 7, 2019. Brazil's Finance Minister Paulo Guedes appointed the new presidents of the country's public banks. / AFP / EVARISTO SA

“Fogo de palha”, diz Mourão sobre atos organizados para o dia 7 de setembro

Os atos nas capitais estão sendo organizados por apoiadores do governo federal

Nesta segunda-feira (23), o vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB) descartou a possibilidade de convulsão social no país por ocasião de atos pró-governo que estão sendo convocadas para o dia 7 de setembro. “Isso aí tudo é fogo de palha. Zero preocupação”.

Os atos estão sendo organizados com o incentivo de Jair Bolsonaro. Ele afirmou que vai participar das manifestações. Pela manhã, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. À tarde, na Avenida Paulista, em São Paulo.

No fim de semana, Aleksander Lacerda, chefe do Comando de Policiamento do Interior-7 da Polícia Militar de São Paulo (PMSP) convocou “amigos” para a manifestação pró-governo.

Leia também:
“Categoria foi traída”, diretor da CNTTL confirma greve dos caminhoneiros

De acordo com João Doria (PSDB), Aleksander Lacerda foi afastado nesta segunda da PMSP “por indisciplina”.

Mourão informou que qualquer pronunciamento de caráter política está sujeito ao regulamento disciplinar da PM. Uma reunião do comando geral da PM foi convocada para as 10h30 desta segunda e pode determinar outras punições a Lacerda.

“Olha, todo pronunciamento de caráter político por um militar da ativa – no caso aí, desse coronel – ele está sujeito ao regulamento disciplinar, regulamento disciplinar das polícias militares é muito similar ao das Forças armadas. Então, o comando da Polícia Militar de São Paulo deve estar tomando as providências a esse respeito”, afirmou o vice.

Leia também:
Eleições 2022: conheça as novas regras eleitorais

Lacerda era chefe do Comando de Policiamento do Interior de São Paulo. Como tal, tinha sob suas ordens sete batalhões da PM paulista, com tropa total de cerca de 5 mil homens.

O coronel fez diversas manifestações em conta no Facebook. Ele já chamou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM) de “covarde” e afirmou que Doria é uma “cepa indiana”.

Print Friendly, PDF & Email