GDF irá abrir novos leitos de UTIs para pacientes com covid-19

Serão 100 leitos abertos, 36 na próxima semana e mais 60 em até 10 dias

Na quarta-feira (17), o Governo do Distrito Federal (GDF) anunciou que irá abrir mais 100 leitos em unidades de terapia intensiva (UTIs) para pacientes que estão com o vírus da covid-19. A informação passada ao Jornal Correio Braziliense é de que serão 36 novos leitos na próxima semana e 60 em até 10 dias. Atualmente, o Distrito Federal conta com 162 leitos de UTI destinados a pacientes com a doença, sendo 49 de hospitais particulares.

A decisão de abrir novos leitos é uma inciativa do governo local, após a identificação da cepa britânica do novo coronavírus (Sars-CoV-2) em circulação na capital do país e em cidades do Entorno. Outro motivo é a grande demanda de pessoas de outras unidades da federação que procuram por atendimento no DF, principalmente da Bahia, de Goiás, Minas Gerais e do Piauí.

O governador Ibaneis Rocha (MDB) afirma que a capital passa por um momento de alta demanda, mas até o momento há leitos para todos. “Não são apenas pessoas que moram no Entorno, mas também de cidades mais distantes — da Bahia, de Minas e até do Piauí — que estão buscando atendimento aqui. Conseguimos leitos para todos, mas a situação tem se agravado na medida em que essa eficiência atrai moradores de outras cidades. Mas todos serão acolhidos. Estamos trabalhando para reforçar nossa rede”, ressaltou.

Ibaneis disse que uma portaria será publicada pela pasta nos próximos dias “Pedi ao ministro (da Saúde, Eduardo) Pazuello para que o pagamento fosse feito por UTI usada. É o mais justo. De qualquer forma, ele garantiu que todos serão efetivamente pagos e, para mim, a palavra dele basta”, ressaltou Ibaneis.

De acordo com o secretário de Saúde Osnei Okumoto, vagas em leitos são abertas diariamente para tender a alta demanda. Outra preocupação é a quantidade de oxigênio da capital, segundo Secretaria de Saúde do DF (SES-DF) apenas o DF está abastecida e que há estoque suficiente para atender toda rede pública. “Não há perigo de escassez do insumo. O contrato da SES-DF não é por quantitativo de cilindros. A pasta paga pelo metro cúbico abastecido”, informou a pasta.

Desde o início da pandemia de coronavírus, o DF já notificou 285.576 contaminações e 4.697 mortes em decorrência da doença. A última média móvel registrou, em 24 horas, 9 mortes e 738 novas infecções.

Print Friendly, PDF & Email