Governador debate em live a reabertura de bares e restaurantes no DF

Sindicatos destacam que é importante que Ibaneis firme uma data para a reabertura evitando assim mais demissões no setor.

Ibaneis Rocha participa nesta manhã de reunião com o Fórum do Setor Produtivo promovida pela Fecomércio. Um dos temas a ser tratado será a reabertura de bares e restaurantes, Fecomércio-DF, o Sindicato Patronal de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Brasília (Sindhobar) e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) se reunirão com o chefe do Executivo local para apresentar um novo protocolo de reabertura.

No novo protocolo é apontada as demissões, segundo informações do presidente do Sindhobar, Jael Antonio, mais de 10 mil pessoas foram mandadas embora e cerca de 1 mil estabelecimentos estão fechados desde o começo da pandemia. “Nenhuma empresa manteve o quadro de funcionários como era antes. Tememos que esse número de demissões chegue a 30 mil no próximo mês”, destacou.

Também citam uma série de recomendações a serem sugeridas ao GDF, entre elas a redução do público a ser atendido, bem como a separação mínima das mesas, há sugestão também de um novo cardápio. “Sugerimos um menu digital, por QR Code. As medidas de segurança e de higienização serão rigorosas. Não abriremos de qualquer forma”, ressaltou o presidente do Sindhobar.

Segundo o presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia, é importante que o governo estipule uma data para a reabertura desses segmentos. “Brasília recebe muito turista para negócios e, por isso, os restaurantes são um padrão de qualidade na capital. Muitos adotaram o esquema delivery, mas isso representa apenas 30% do custo da empresa. Temos empregadores que não vão conseguir reerguer a empresa, pois estão com dívidas com os fornecedores e não têm linha de crédito com os bancos”, finalizou. 

Print Friendly, PDF & Email