O ministro da Economia, Paulo Guedes, faz palestra de encerramento do Seminário de Abertura do Legislativo de 2020

Guedes afirma que governo deve renovar auxílio emergencial por mais dois ou três meses

Com isso, o pagamento, que estava previsto para terminar em julho, pode ser ampliado até setembro

Ao participar de evento virtual da Frente Parlamentar do Setor de Serviços, Paulo Guedes, ministro da Economia, disse que “possivelmente” o governo vai renovar por mais “dois ou três meses” o auxílio emergencial. Guedes disse também que será lançado o novo Bolsa Família.

“Os governadores brasileiros estão dizendo que em dois ou três meses a população brasileira adulta está toda vacinada, então vamos renovar por dois ou três meses o auxílio e logo depois entra o novo Bolsa Família, já reforçado”.

O governo tem planos de estender o auxílio emergencial por dois meses, até setembro, nos mesmos valores de R$ 150 a R$ 375.

Leia também:
Agências do trabalhador oferecem empregos de até R$ 2,1 mil mensais

Para a prorrogação, a equipe econômica deve abrir um crédito extraordinário de aproximadamente R$ 12 bi. O valor vai reforçar os cerca de R$ 7 bi que ainda estão disponíveis dentro dos R$ 44 bi já destinados ao programa e que não foram usados porque o número de famílias na nova rodada ficou abaixo do inicialmente projetado.

A prorrogação do benefício é uma forma de manter a assistência às famílias em um cenário de risco de agravamento da pandemia de Covid-19.

Leia também:
Bolsonaro quer Auxílio Brasil no valor de R$ 400

Fontes do governo afirmam que “alguma prorrogação é razoável”, dado que o número de casos de morte por covid-19 parou de cair.

A necessidade de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para isso, aventada anteriormente, perdeu força porque esse tipo de crédito já fica fora do teto, e há espaço na meta fiscal (que permite rombo de até R$ 247,1 bilhões no ano) para acomodar o gasto adicional.

Print Friendly, PDF & Email