IPCA registra 0,87% em agosto e atinge 9,96% em um ano, influenciado pelos preços dos combustíveis

Os valores ainda seguem bem acima do centro da meta de inflação em 2021, de 3,75%, com o intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para baixo (2,25%) ou para cima (5,25%)

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta quinta-feira (9), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) registrou alta de 0,85% no mês de agosto, na comparação com o mês anterior.

Apesar de o indicador ter desacelerado e ficado 0,09 ponto percentual abaixo da taxa de 0,96% registrada em julho, essa foi a maior variação para o mês de agosto desde 2000.

O IPCA acumula alta de 5,67% no ano e de 9,68% nos últimos 12 meses. Com isso, a inflação fica acima da meta estabelecida pelo Banco Central para este ano, que é de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos, ou seja, podendo variar entre 2,25% e 5,25%.

Leia também:
Procon DF realiza mutirão virtual para renegociar dívidas

Segundo o IBGE, oito dos nove grupos pesquisados subiram em agosto. A maior variação, de 1,46%, e o maior impacto, de 0,31, vieram do transporte, influenciado pelos combustíveis.

A gasolina subiu 2,80% e teve maior impacto individual. Etanol (4,50%), gás veicular (2,06%) e óleo diesel (1,79%) também ficaram mais caros em agosto.

No ano, a gasolina acumula alta de 31,09%, o etanol 40,75% e o diesel 28,02%.

Segundo o IBGE, os veículos próprios registraram alta de 1,16% em agosto. Os automóveis usados (1,98%), os novos (1,79%) e as motocicletas (1,01%) também permaneceram em elevação e, juntos, representam 0,10 ponto percentual do IPCA de agosto.

Leia também:
De acordo com pesquisa, 30% dos PMs pretendem participar de atos pró-Bolsonaro

Os alimentos com maiores variações nos preços está o pimentão, com altas de 58,18% no ano e de 59,47%. A carne, com variação de 8,75% no ano, acumula elevação de 30,77% em 12 meses. Outro destaque é o açúcar refinado com altas de 27,11% e de 37,74%, respectivamente.

Print Friendly, PDF & Email