Jair Bolsonaro entra para a lista de “predadores da liberdade de imprensa”

A edição descreve que Bolsonaro usa “insulto, humilhação e ameaças vulgares” como “modo de predação”

O presidente Jair Bolsonaro entrou para a lista de “predadores da liberdade de imprensa” elaborado pela Repórteres Sem Fronteiras (RSF). A edição, divulgada nesta segunda-feira (5), é composta por 37 chefes de Estado ou governo que impõem uma repressão massiva à liberdade de imprensa.

A última lista dos “predadores da liberdade de imprensa” da RSF foi publicada em 2016. Nesta edição 2021, quase a metade dos citados entrou para a lista pela primeira vez.

Leia também:
Eleições 2022: “não sei se vou disputar as eleições do ano que vem”, diz Bolsonaro

Todos os 37 chefes de Estado ou de governo restringem a liberdade do exercício do jornalismo com a “criação de estruturas de censura, a detenção arbitrária de profissionais da mídia, a incitação à violência contra os jornalistas”, escreve a ONG.

E edição descreve que Bolsonaro usa “insulto, humilhação e ameaças vulgares” como “modo de predação”.

A publicação também fala da forma como o governo utiliza as redes sociais para desacreditar a mídia. “Nas redes sociais, exércitos de apoiadores e robôs retransmitem e amplificam os ataques que visam desacreditar a imprensa, apresentada como inimiga do Estado”.

Leia também:
Segundo Bolsonaro, há deputados suficientes para aprovar o voto impresso

Entre os chefes de Estado, 16 representam países que integram a pior posição do relatório anual da RSF sobre a liberdade de imprensa e 19 vêm de países que figuram a lista vermelha, como o Brasil, onde o exercício do jornalismo é considerado difícil.

“Cada um desses predadores tem um método particular. Alguns impõem o terror com ordens irracionais e paranoicas. Outros, criam estratégias baseadas em leis restritivas. Temos de impedir que suas formas de impor a repressão se tornem o ‘novo normal’”, declarou o secretário-geral da organização, Christophe Deloire.

Entre os novos integrantes da lista também está o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, suspeito de ordenar o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018.  Já O presidente sírio, Bashar Al-Assad, e o líder da revolução iraniana, Ali Khamenei, figuram na lista desde que ela foi criada, há 20 anos.

Leia também:
Bolsonaro diz que não vai sancionar fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões

Também fazem parte da lista o presidente da Venezuela Nicolás Maduro, o presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o presidente da China, Xi Jinping.

Print Friendly, PDF & Email