Votação de propostas. Presidente da Câmara, Arthur Lira (PP - AL)

Lira não deve acatar o superpedido de impeachment de Bolsonaro

O documento conta com 46 signatários e reúne mais de 100 pedidos de impeachment já apresentados na Câmara

Um “superpedido de impeachment” contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi protocolado por entidades, partidos políticos, parlamentares e ativistas de todos os campos ideológicos por todo o Brasil nessa quarta-feira (30) na Câmara dos Deputados.

O documento, que tem 46 signatários e 271 páginas, reúne acusações presentes em 123 outros pedidos anteriormente apresentados à Casa, e atribui 23 crimes contra Bolsonaro. Crimes cometidos durante a pandemia de Covid-19, quando os que ocorreram antes.

Leia também:
Mourão afirma que aliança de Bolsonaro e Centrão pode confundir parte dos eleitores

Esse pedido deve ficar parado. O presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), não pretende analisar o documento.

“Não será feito agora, né. Tem que esperar”, afirmou a jornalistas. “O que houve nesse superpedido? Uma compilação de tudo o que já existia nos outros e esses depoimentos, quem tem que apurar é a CPI. É para isso que ela existe. Então, ao final dela a gente se posiciona aqui, porque na realidade impeachment, como ação política, a gente não faz com discurso, a gente faz com materialidade”, disse.

Questionado se vai rejeitar o pedido, Lira disse que há ainda outros 120 requerimentos na fila. No final da conversa, o presidente da Câmara fez um comentário sobre o trabalho dos senadores com relação a CPI da pandemia. “Vou esperar a CPI, está fazendo um belíssimo trabalho, bem imparcial”.

Print Friendly, PDF & Email