Maia diz não ter intenção de reeleição e afirma que governo tentou derrubá-lo

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirma que não se candidataria e que o governo quis derrubá-lo antes que seu mandato acabasse

Após ser vetada nesta segunda-feira (7) pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a possibilidade de reeleição do presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ), o parlamentar afirma ser objetivo do governo derrotá-lo, mas que ele nunca cogitou uma reeleição.

“A candidatura do governo é contra Rodrigo Maia. Acabaram as desculpas, não precisam mais me derrotar, vamos trabalhar para garantir equilíbrio fiscal para os próximos 24 meses”, ironizou.

Maia precisa agora de um candidato que possa ser a oposição de Arthur Lira (PP-AL). O atual presidente da Câmara diz ter conversado com um grupo de deputados comprometidos com a agenda econômica liberal e com a independência da Câmara, entre os nomes estão Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Baleia Rossi (MDB-SP) e Marcos Pereira (Republicanos-SP).

Constituição

A Constituição proíbe que os chefes das Casas tentem uma recondução no posto dentro da mesma legislatura. No artigo 57 § 4º diz: “Cada uma das Casas reunir-se-á em sessões preparatórias, a partir de 1º de fevereiro, no primeiro ano da legislatura, para a posse de seus membros e eleição das respectivas Mesas, para mandato de dois anos, vedada a recondução para o mesmo cargo na eleição imediatamente subsequente.”

A legislatura atual começou em fevereiro de 2019 e vai até fevereiro de 2023.

Apoio de Bolsonaro

O nome apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro, é de Arthur Lira (Progressistas-AL), um dos líderes do Centrão que se aproximou do governo durante a pandemia de corona vírus. Lira tem o apoio do Planalto, inclusive para negociar cargos em troca de votos.

Lira, mesmo com o apoio de Bolsonaro, passa por dificuldades. O candidato à Presidente da Câmara tem o seu nome veiculado a liberação de um esquema milionário de rachadinha, quando era deputado na Assembleia Legislativa de Alagoas. A acusação é do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça o absolveu das acusações, mas Lira já foi condenado pelo caso na esfera cível.


Print Friendly, PDF & Email