Ministro da Infraestrutura diz que greve de caminheiros será mínima

Caminhoneiros prometem greve, mas paralisação não é um consenso

Lideranças dos caminhoneiros autônomos transportadores de cargas convocaram motoristas para uma paralisação a partir desta segunda (1). O objetivo é forçar o governo a reduzir o preço do combustível.

Entre outras reivindicações, eles pedem a redução de cobrança de PIS/Cofins sobre óleo diesel, o aumento e cumprimento de tabela do piso mínimo do frete, estabelecido em 2018 após a paralisação de 11 dias, modificação da redação do projeto 4199/2020, o BR do Mar, sobre cabotagem, aposentadoria especial para o setor, um marco regulatório do transporte, entre outros pedidos.

A Petrobras anunciou um reajuste de quase 4,5% no preço do diesel, elevando o valor do litro para R$ 2,12. A partir daí, o movimento ganhou força, apesar da resistência de associação e federações que ainda estão alinhadas ao Palácio do Planalto.

Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura, minimizou a greve. Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, ele revelou que tem mantido conversas com algumas das principais lideranças do movimento e garantiu que não haverá adesão da maior parte dos trabalhadores.

 “Vai ser um movimento fraco, não vai ter adesão. As empresas de transporte não vão parar, os principais sindicatos não vão parar. Tenho recebido mensagens de apoio de diversos líderes de caminhoneiros. Eles não querem parar, querem trabalhar. Esse é o sentimento geral”, prometeu Tarcísio.

Protesto pelo Brasil

Pelo Brasil, o Estado de São Paulo registrou bloqueio na Rodovia Castello Branco, perto de Barueri, promovido pelos caminhoneiros que protestaram contra o governador João Doria (PSDB), o valor do frete e também o preço do combustível.

No Nordeste do país, na BR-116, altura dos Kms 522 e 528, na região de Itatim, caminhoneiros protestam, de maneira pacífica, em postos de combustível do local. De acordo com a Via Bahia, concessionária do trecho da posta, não há bloqueios por parte dos manifestantes.

Print Friendly, PDF & Email