Morte de Maradona causa grande repercussão

Marodona era conhecido como “Deus” na Argentina, pela sua carreira brilhante e pela conquista da Copa de 1986

Morreu hoje, aos 60 anos, um dos mais maiores jogadores de futebol de todos os tempos, Diego Armando Maradona, após sofrer uma parada cardiorrespiratória. Maradona atuava ultimamente como técnico do Gimnasia Y Esgrima de La Plata e enfrentava sérios problemas de saúde. Dieguito, apelido carinhoso dado pelos argentinos, já estava com a saúde precária desde o início do mês, quando foi operado de um hematoma subdural. Segundo o biógrafo do jogador, ele estava em sua casa, em Tigre, cidade vizinha de Bueno Aires.

Segundo a impressa argentina, seis ambulâncias foram chamadas ao local para atender o ex-jogador, mas os médicos não conseguiram salvá-lo.

Em 1986, ao ganhar a Copa do Mundo pela seleção argentina, Maradona era reverenciado e tratado como Deus em seu país natal. Seu gol contra a Inglaterra foi eleito pela Fifa em 2002 como o mais bonito da história das Copas do Mundo.

“Muitas vezes me dizem: você é Deus. E eu respondo: vocês estão equivocados. Deus é Deus e eu sou simplesmente um jogador de futebol”, disse Dieguito em 1991.

Trajetória

Maradona nasceu no dia 30 de outubro de 1960 em Lanús, na província de Buenos Aires, e era técnico do Gimnasia y Esgrima de La Plata, um pequeno time argentino.

Ele cresceu em Villa Fiorito, bairro pobre de Buenos Aires e começou a jogar futebol no Argentinos Juniors, onde foi revelado aos 15 anos. No time, Diego Maradona, fez 116 gols em 166 partidas. Em 1982 foi para o Boca Juniors. No mesmo ano foi para o Barcelona, com a transferência mais cara até então, US$ 8 mi, onde ficou até 1984.

Atuou no Napoli, após sair do Barcelona, onde jogou ao lado do brasileiro Careca e ganhou uma Copa da Uefa.

Drogas

Maradona lutava contra as drogas havia anos. Em sua autobiografia, ele revelou que começou a usar drogas após a sua chegada ao Barcelona, no começo dos anos 80. Em 1991, quando jogava pelo Napoli, foi suspenso após ser flagrado no exame antidoping pelo uso de cocaína. Na Copa de 1994, foi encontrando no seu sangue a efedrina, que é usada em remédios para emagrecer e como estimulante, fato que o tirou da Copa do Mundo.

Em 2000, o ex-jogador sofreu um ataque cardíaco devido uma overdose no resort uruguaio de Punta del Este. Em 2004, pesando 100 quilos, sofreu outra crise cardíaca e respiratória, que o deixou à beira da morte.

Repercussão

Autoridades e personalidades lamentaram a morte do jogador nas redes sociais.

Alberto Fernández, presidente da Argentina. “Você nos levou ao topo do mundo. Você foi o maior de todos. Obrigado por ter existido, Diego. Nós vamos sentir sua falta para sempre”.

Cristina Kirchner, ex-presidente e atual vice da Argentina. “Muita tristeza … Muita. Foi ótimo. Adeus Diego, nós te amamos muito. Um grande abraço aos seus familiares e entes queridos”.

Governo de Cuba. “A história quis que eles [referência a Fidel Castro que morreu em 25 de novembro de 2016] partissem no mesmo dia”.

Maradona deixa três filhas (Dalma, Gianinna, Jana) e dois filhos (Diego e Diego Fernando).

Print Friendly, PDF & Email