O Diretor-Geral da Itaipu Binacional, Joaquim Silva e Luna, participa de audiência pública na comissão de minas e energia da Câmara dos Deputados.

Novo presidente da Petrobras, general Joaquim Silva e Luna, toma posse e diz que vai conciliar interesses

Silva e Luna diz que vai chegar “ouvindo mais e falando menos” e que vai manter a paridade de preços baseada na cotação do petróleo e do dólar

Nesta segunda-feira (19), o general da reserva Joaquim Silva e Luna tomou posse na presidência da Petrobras. Ele assume o lugar do economista Roberto Castello Branco, substituído pelo presidente Jair Bolsonaro em fevereiro.

Silva e Luna foi integrado ao Conselho de Administração da Petrobras na última segunda-feira (12). Era o primeiro passo para que ele pudesse assumir o cargo. Na sexta-feira (16), ele foi oficializado no cargo de presidente da estatal, durante nomeações dos diretores das principais áreas da companhia.

Em pronunciamento, Silva e Luna disse que iria chegar “ouvindo mais e falando menos”. Afirmou que vai manter a paridade de preços, baseada na cotação do petróleo e do dólar.

“Serei breve. Entendo que quem chega deve chegar ouvindo mais e falando menos. Então, vou começar pela conclusão, agradecendo. Agradeço ao presidente Bolsonaro que me indicou para o cargo de presidente. Confesso que me sinto honrado pela confiança e impactado pela responsabilidade. Entendo que essa sensação me mantém num ponto de equilíbrio entre a ousadia e a prudência”, disse Silva e Luna.

 Mercado

O general falou que vai conciliar os interesses do mercado, do governo, dos petroleiros e acionistas, garantindo que a política de aumento de preços será respeitada.

“É fazer tudo isso conciliando interesses de consumidores e acionistas; valorizando os petroleiros; buscando reduzir volatilidade, sem desrespeitar a paridade internacional; perseguindo a redução da dívida; investindo em pesquisa e desenvolvimento; e contribuindo para a geração de previsibilidade ao planejamento econômico nacional”, ponderou.

Participaram da cerimônia o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Rodolfo Saboia, além do presidente do Conselho de Administração da estatal, Eduardo Bacellar. Na sexta-feira (16) Silva e Luna e os outros quatro funcionários da empresa tiveram seus nomes aprovados pelo Conselho Administrativo da Petrobras. No encontro, entretanto, um dos colaboradores eleitos na assembleia de acionistas renunciou ao cargo

Print Friendly, PDF & Email