Combate à pandemia custa R$ 1,66 bilhão por dia ao Brasil

Dados do Tesouro Nacional apontam que as políticas econômicas receberam mais investimentos que a Saúde

Segundo o Monitoramento dos Gastos da União com Combate à Covid-19 do Tesouro Nacional, foram disponibilizados R$ 39,4 bi à pasta para arcar com as despesas geradas pela pandemia do novo coronavírus, e outros R$ 20 bilhões foram aplicados em um fundo para a compra de vacinas.

Desde o início da pandemia até o último levantamento feito nesta terça-feira (5), o governo gastou diariamente R$ 1,66 bi no combate ao vírus.

Despesas

Os gastos voltados para a economia foram os que mais geraram custos. Uma das maiores despesas foram os cinco meses de pagamentos do auxílio emergencial de R$ 600 para milhões de trabalhadores. O auxílio por si só é responsável por R$ 230,78 bi dos cofres públicos.

O auxílio a estados e municípios, segundo maior gasto, levou R$ 78,2 bilhões. Já o custeio do benefício emergencial de emprego e renda abocanhou R$ 33,5 bilhões.

O Ministério da Cidadania, responde até o momento por quase R$ 300 bi dos gastos com a pandemia, quase 60% da verba liberada. Em seguida vem, o Ministério da Saúde (R$ 37 bilhões, 7,2%), Ministério da Economia (R$ 32,2 bilhões, 6,3%), Ministério da Educação (R$ 1,1 bilhão, 0,2%), Ministério da Defesa (R$ 485 milhões, 0,1%).

Entre outras despesas custeadas pelo governo federal, estão o programa emergencial de crédito, conhecido como “maquininhas” (R$ 5 bilhões), a transferência para desenvolvimento energético (R$ 900 milhões) e o financiamento da infraestrutura turística (R$ 3 bilhões).

Print Friendly, PDF & Email