O senador Izalci Lucas usa a CPI da Covid para promoção pessoal

O senador tenta usar a CPI como palanque político em busca de holofotes como candidato ao governo do Distrito Federal

Mesmo sem ser membro efetivo  e sem direito a voto, dentro da CPI da Covid, criada pelo Senado para investigar supostas omissões do governo federal no combate à pandemia no país, o senador Izalci Lucas (PSDB-DF), usa o espaço para a promoção pessoal em torno de sua candidatura ao governo do DF nas eleições do próximo ano. 

Leia também:
“Nem Lula, nem Bolsonaro”, Ciro Gomes se lança como 3ª via para as eleições de 2022

Até esta terça-feira (18), já havia sido protocolados cerca de 567 requerimentos na CPI da Covid.

Entre a montanha de pedidos, o suposto requerimento anunciado por Izalci Lucas,  não consta na lista de requerimentos publicados na página da CPI do portal do Senado.

O pedido do  senador, que tenta usar a CPI como palanque político em busca de holofotes como candidato ao governo do Distrito Federal, provavelmente não será visível aos olhos, do presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM).

Leia também:
Bolsonaro diz que não vai sancionar fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões

O  senador do DF não é membro efetivo e nem suplente da Comissão Parlamentar de Inquérito. 

Ao pegar carona na CPI para turbinar o seu projeto político de 2022,  Izalci vai na contramão da posição firme do presidente Omar Azi que já disse, “Não aceito que façam da CPI um palanque político ou palco para radicalizações ideológicas”.

Ademais,  o senador que pede investigação de supostos descaminhos, ocorridos na pasta da Saúde do governo Ibaneis Rocha, é o mesmo que ainda não conseguiu se livrar de acusações feitas pelo MPF, no âmbito da operação Mega Byte, que apurou fraudes em contratos de informática na gestão de Joaquim Roriz, de quem Izalci foi secretário de Ciência e Tecnologia.

Leia também:
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, se aproxima do PSD e deve concorrer às eleições para presidente da República

O Inquérito 3.344 ainda tramita no Supremo Tribunal Federal.

Print Friendly, PDF & Email