Paranoá vai ganhar a primeira escola técnica, com investimento de R$ 12,3 mi

Cerca de 1,2 mil alunos terão um espaço com doze salas de aula, laboratório, auditório, biblioteca, quadra poliesportiva coberta, entre outros

O GDF vai investir R$ 12,3 mi, oriundos da Secretaria de Educação e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), para construir a primeira escola técnica do Paranoá, com um espaço de mais de 5.557,39 metros quadrados. Cerca de 1,2 mil alunos terão um espaço com doze salas de aula, laboratório, auditório, biblioteca, quadra poliesportiva coberta, entre outros.

Leia também:
Hospital da Criança recebe investimento de R$9,5 milhões

O secretário de Educação, Leandro Cruz, ressalta que uma escola técnica no Paranoá promove a chance de estudo para o mercado de trabalho. “O que é muito importante para melhorar o futuro dos nossos jovens. É dessa forma que trabalhamos, com o objetivo de não deixar nenhum estudante para trás”, reforça o titular da pasta.

Para Fábio Sousa, secretário-executivo de Educação, a primeira unidade técnica na região é uma conquista para toda cidade. “Estamos empenhados no futuro dos jovens, não só na educação básica, mas que eles estejam nas escolas regulares, pensando que os cursos técnicos podem ser a continuidade do estudo ou até mesmo a alavanca para o início da carreira profissional”, afirma.

A nova escola técnica está sendo construída na quadra 01, conjunto A, área especial 1. O prédio segue padrão estabelecido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). No projeto há depósito de materiais, secretaria, recepção, sala dos professores e coordenação, diretora, refeitório e vestuários. Alcance Engenharia e Construção Ltda, empresa responsável pela obra, terá o prazo de 480 dias (16 meses) para finalizar os serviços.

Sérgio Damasceno, administrador do Paranoá, salienta a importância da unidade educacional para os jovens da cidade. “A maioria deles auxilia na renda familiar. Então, ao terminarem o ensino médio, eles terão mais uma formação para entrar no mercado de trabalho e custear um ensino superior”, explica.  

O ensino do Distrito federal já conta com 13 unidades escolares que ofertam educação profissional e tecnológica em funcionamento.  

Print Friendly, PDF & Email