PCDF investiga vídeos que circulam na internet incentivando crianças a “adorar satanás”

Em seu perfil o homem investigado pela polícia, utiliza um filtro simulando a personagem Elsa e ensina crianças a desenharem pentagramas

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) investiga uma série de vídeos que circulam nas redes sociais, incentivando crianças a “adorar satanás”. Segundo investigadores da Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), os vídeos trazem a imagem de um homem que utiliza um filtro simulando a personagem Elsa, do desenho animado Frozen, da Walt Disney. 

A gravação, feita por meio do aplicativo TikTok e compartilhada no Instagram por um youtuber de São Paulo, com linguagem infantil e voz anasalada, o autor do vídeo leva poucos segundos para passar a mensagem. “Oi, crianças! Sou eu, a Elsa. Hoje vou ensinar a vocês a fazerem uma arte muito bonita na casa de vocês. Vamos aprender?”, diz o homem.

Após chamar a atenção das crianças, o homem continua o vídeo, “Para isso, vamos precisar de canetinha e molho de tomate. Com a canetinha, vocês vão desenhar várias estrelas como essas (pentagramas que simbolizam a marca da besta) nas paredes da casa de vocês. Vocês puderam perceber que a pontinha tá virada pra baixo? E, com o molho de tomate, vocês vão contornar o desenho. Se alguém perguntar por que vocês fizeram isso, vão responder: ‘pela glória de Satã, é claro!’”, diz.

Em outro dos vídeos, o homem vestido de Elsa volta a convocar as crianças para um “ritual”. Ele as orienta a separar uma vela e um lençol, para que se enrolem e caminhem pela casa com o objeto aceso dizendo “A alma dessa criança agora pertence a mim”, com voz rouca e grossa.

Leia também:
GDF prepara mais de 500 voluntários para o combate a violência contra a mulher

O delegado-chefe da DRCC, Giancarlos Zuliane, que investiga o caso, afirmou que o conteúdo beira a prática de delitos se encaixando no artigo 286 (apologia ao crime).

“Os vídeos são diferentes do Pateta, que estimulava o suicídio e a automutilação. Isso não ocorre com a Elsa. No entanto, o vídeo beira a prática de delitos, principalmente no que diz respeito à apologia de crimes. Com certeza, é um péssimo conteúdo, que nenhuma rede social gostaria de hospedar”, afirmou Zuliane.

Pronunciamento 

Leia também:
PCDF prende grupo suspeito de sonegar impostos e causar prejuízo de R$ 60 mi aos cofres do GDF

O homem que publicou os vídeos da “Elsa satânica” é Henrytado, ele explica que o conteúdo não foi feito para crianças assistirem, e que tudo não passava de uma piada. “A gente tá vivendo o caos , tem quase três mil pessoas morrendo por dia, no Brasil, mas tem gente preocupada se eu estou vestida de Elsa, fazendo piada na internet”, minimiza.

Em seu perfil ele citou uma lei que proíbe crianças menores de 13 anos de terem redes sociais,  “Existe uma lei que proíbe menores de 13 anos criarem perfis em redes sociais. Criança não tem que estar em rede social’, afirma Henrytado. O tik toker prossegue a justificativa explicando que seu conteúdo nunca foi infantil.

Leia também:
GDF prepara mais de 500 voluntários para o combate a violência contra a mulher

Após a repercussão, Henrytado, autor do conteúdo, registrou ocorrências policiais em São Paulo, pois sofreu ameaças de morte pela disseminação dos vídeos.

Print Friendly, PDF & Email