PCDF prende um dos homens que se passava pelo governador Ibaneis Rocha para aplicar golpes na internet

O Chefe do Executivo local teve sua agenda telefônica pessoal clonada por estelionatários, o objetivos dos criminosos era pedir dinheiro a contatos

No fim da tarde desta segunda-feira (4), a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu o homem de 28 anos que se passava pelo governador Ibaneis Rocha para aplicar golpes pelo WhatsApp. Ele foi localizado pelos investigadores em Goiânia (GO), atuava como vigilante de escolta armada e foi detido dentro de uma empresa de segurança.

A investigação foi iniciada no momento em que o governador informou à polícia que sua agenda telefônica pessoal havia sido clonada por estelionatários, com o objetivo de obter vantagens indevidas de contatos da vítima. O governador logo explicou o que estava acontecendo e pediu aos seus contatos que desconsiderassem a mensagem.

“Boa tarde! Um perfil falso foi criado com o meu nome. Estão remetendo mensagens e fazendo pedidos falsos. Recebendo-os, favor desconsiderar.” escreveu Ibaneis.

Segundo o delegado Giancarlo Zuliani, da Divisão de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC) da Polícia Civil do DF, o homem confessou o crime. Além dele, outras duas pessoas foram identificadas como participantes dos golpes.

Delegado-Geral da PCDF, Robson Cândido, a ação rápida da DRCC viabilizou a prisão em flagrante e informou que os outros dois suspeitos foram presos em breve, “As equipes conseguiram localizar o principal suspeito. Os outros dois já foram identificados e deverão ser presos em seguida. A resposta rápida da PCDF é fundamental para coibir esse tipo de crime”, afirmou.

Outras vítimas

Em 2020, o deputado federal Israel Batista (Partido Verde), teve seu chip e WhatsApp clonados por criminosos que pediam dinheiro a conhecidos do deputado. Os parlamentares Carla Zambelli (PSL-SP), Luisa Canziani (PTB-PR) e Filipe Barros (PSL-PR), também foram vítimas desse tipo de crime.

Em 2019, o deputado distrital Rodrigo Delmasso (Republicanos) também foi vítima desse golpe. De acordo com o distrital, o suspeito usava o nome dele e pedia um depósito em dinheiro, dizendo que um parente precisava de ajuda.

Print Friendly, PDF & Email