Pesquisa aponta brasileiro como o povo que mais sente solidão entre 28 países

Devido à necessidade de isolamento social em decorrência da pandemia, a sensação de solidão entre os brasileiros aumentou e alcançou a marca de 50%

Segundo levantamento realizado entre 23 de dezembro de 2020 e 8 de janeiro deste ano, os brasileiros são o povo que mais se sente solitário. 50% das mil pessoas entrevistadas no Brasil disseram sentir solidão muitas vezes, frequentemente ou sempre. A pesquisa ouviu 23 mil pessoas de 28 países.

A pesquisa feita pelo instituto Ipsos mostrou que o percentual é o maior entre todas as populações. Em segundo lugar vieram os turcos, com 46%, seguido pelos indianos, com 43% e pelos sauditas, com 43%.

Segundo o levantamento, na outra ponta do ranking, os holandeses são o povo que menos sofre com a solidão, com 15%, seguidos pelos japoneses, com 16%, e poloneses, com 23%.

Leia também:
Brasil registra menor média móvel de mortes desde o início da pandemia

52% dos participantes da pesquisa no Brasil afirmaram que esse sentimento de solidão cresceu nos últimos seis meses. 21% disseram que o último semestre deve impactar em sua saúde mental no futuro.

Para o presidente da Ipsos no Brasil, Marcos Calliari, os efeitos da pandemia do novo coronavírus, que já matou 259,2 mil pessoas no país até esta quarta-feira (3), foram preponderantes para aumentar o sentimento de solidão da população brasileira.

“O brasileiro sofreu demais na pandemia. Os números assustadores de contágio e de mortes, um dos piores índices do mundo, e o longo período de quarentena, ajudam a explicar esse sentimento”, explica à BBC News Brasil.

“Houve também muita turbulência em relação às informações e procedimentos sobre a pandemia. As pessoas ficaram e estão muito confusas e tristes sobre isso”, acrescenta Calliari.

Calliari cita as festas de fim de ano, momento em que parte da pesquisa foi realizada. “O brasileiro é um povo bastante gregário. Gosta de estar com a família no Natal e no Ano-Novo. Como vivemos um período de distanciamento social, muita gente se sentiu sozinha nesse período”, explica Calliari.

Print Friendly, PDF & Email