Planos de Saúde trazem mudanças para deputados

Planos de Saúde trazem mudanças para deputados

Os planos não irão atender mais ex-deputados, deputados cassados ou aqueles que tenham perdido mandato, bem como seus dependentes 

Nesta quinta-feira (8), o Diário Oficial da Câmara Legislativa trouxe em seu texto a nova resolução do Fundo de Assistência à Saúde dos Deputados Distritais e Servidores da CLDF (Fascal). O plano agora se chamará CLDF Saúde e em prática terá algumas mudanças entre elas, a exclusão de ex-parlamentares, de deputados cassados ou que tenham perdido o mandato por decisão judicial, bem como seus dependentes.

“Esse é um dos pontos mais importantes da nova resolução: o superávit do Fascal poderá servir, por exemplo, para diminuir as filas de cirurgias eletivas no DF. Pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) poderão usar a rede credenciada do plano da Câmara”, aponta o vice-presidente da Casa, Rodrigo Delmasso (Republicanos). 

Traz também alterações nas condições para a permanência de ex-comissionados no CLDF Saúde. Poderão permanecer aqueles que forem exonerados até 31 de dezembro de 2020, desde que já tenham contribuído por, pelo menos, 24 meses. E o prazo máximo para a permanência será de dois anos.

 O deputado Rodrigo Delmasso ressalta que as novas regras integram um amplo trabalho para modernizar a gestão e equilibrar as contas do Fundo. “A resolução publicada hoje é inovadora do ponto de vista da gestão pública, pois ela cria um conselho fiscal, um comitê de governança e uma comissão de ordenança”, destaca.