Por falta de matéria-prima, Butantan suspende produção da CoronaVac a partir desta sexta-feira

O Instituto aguarda a liberação pelo governo chinês de um lote com 10 mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) para retomar a produção

A partir desta sexta-feira (14), o instituto Butantan vai suspender completamente a produção da CoronaVac, vacina contra a covid-19, por falta de matéria-prima. O instituto aguarda a liberação pelo governo chinês de um lote com 10 mil litros de Insumo Farmacêutica Ativo (IFA) para retomar a produção.

De acordo com Dimas Covas, diretor do Butantan, havia a expectativa de autorização de exportação de ao menos 3 mil litros de IFA até sábado (15), no entanto não há previsão.

“Até o fim da semana passada, havia a perspectiva de autorização de exportação [do IFA] no dia 13. Na reunião de hoje [com o laboratório Sinovac], vimos que essa previsão não vai se cumprir. Portanto, não temos data neste momento para essa autorização. Estamos aguardando, isso pode acontecer a qualquer momento, mas por enquanto não há essa previsão”.

O governo de São Paulo tem participado de reuniões com o embaixador o Brasil na China para tentar viabilizar a autorização para a exportação dos insumos da vacina.

Leia também:
Vacina: saúde envia doses para toda população adulta do país

Segundo João Doria (PSDB), governador de São Paulo, com os 10 mil litros de IFA prontos no laboratório da Sinovac na china para serem enviados ao Brasil, o Instinto poderá produzir aproximadamente 18 mi de doses da CoronaVac.

O governador liga os entreves na importação às constantes declarações contra a China feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Se não recebermos mais insumos para mais vacinas, nós infelizmente teremos que parar a produção. Então é muito importante que a diplomacia brasileira, o ministro das Relações Exteriores, os embaixadores possam atuar para que o governo chinês libere o embarque destes 10 mil litros de insumos da vacina do Butantan”, afirmou o governador na quarta.

A Coronavac corresponde a aproximadamente 75% das vacinas contra a Covid aplicadas no Programa Nacional de Imunização (PNI).

Print Friendly, PDF & Email