Por fim de bloqueios, Bolsonaro conversa com caminhoneiros nesta quinta-feira

A equipe econômica e o próprio Palácio do Planalto estão preocupados com o risco de o movimento aumentar e causar problemas para a economia

Nesta quinta-feira (9), o presidente Jair Bolsonaro recebeu caminhoneiros no Palácio do Planalto para negociar o fim dos bloqueios nas estradas de diferentes estados do país. O encontro teve início pouco depois das 10h00. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, também esteve presente na reunião.

Desde a noite de quarta-feira (8), o movimento dos caminhoneiros tem diminuído, quando Bolsonaro gravou um áudio pedindo que as estradas sejam liberadas. Pelo menos 14 estados registraram pontos de concentração dos caminhoneiros.

De acordo com a pasta, Bahia, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina contam com algumas interdições por conta dos bloqueios. Nos estados de Rio Grande do Sul, Paraná, Espírito Santo, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Rondônia, Pará e Roraima o trânsito está liberado, mas ainda há abordagem a veículos de cargas por parte da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Leia também:
Procon DF realiza mutirão virtual para renegociar dívidas

Ao conversar com apoiadores, o chefe do Executivo prometeu “tomar uma decisão”.

“Eu tenho uma hora da manhã que vou estar com o tempo tomado com o pessoal dos Brics. Então, mais cedo também, nesses dois intervalos, vou conversar com os caminhoneiros para a gente tomar uma decisão”, destacou.

Bolsonaro está preocupado com as paralisações por conta de reflexos na economia. No áudio, o presidente alertou que “isso provoca desabastecimento, inflação e prejudica todo mundo, em especial, os mais pobres”.

Leia também:
Temer: “ataques de Bolsonaro a Poderes estão no passado”

“Fala para os caminhoneiros aí, nossos aliados, que esses bloqueios atrapalham a nossa economia. Então, dá um toque nos caras aí, se for possível, para liberar, tá ok? Para a gente seguir a normalidade”, comentou.

“Deixa com a gente em Brasília aqui e agora. Mas não é fácil negociar e conversar por aqui com autoridades. Não é fácil. Mas a gente vai fazer a nossa parte aqui e vamos buscar uma solução para isso, tá ok? E aproveita, em meu nome, dá um abraço em todos os caminhoneiros. Valeu”

Print Friendly, PDF & Email