Portaria do GDF cria núcleo para atender crianças em situação de vulnerabilidade

Os Núcleos Intersetoriais com foco na primeira infância (Nipis) será composto por representantes de serviços sociais do DF

A Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes-DF), publicou na última quarta-feira (9), no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), a portaria nº 29 de 08 de dezembro de 2020, que institui nas regiões administrativas do DF, os Núcleos Intersetoriais de Primeira Infância (Nipis)

O objetivo do núcleo é dar suporte as crianças que se encontram em situações de vulnerabilidade. As demandas são identificadas de acordo com visitas domiciliares feitas pela unidades, as famílias atendidas até o momento foram das regiões de Ceilândia, Estrutural, Recanto das Emas, Riacho Fundo 1 e 2, Taguatinga, Samambaia e Santa Maria.

A secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha, destaca que o foco é em crianças de zero aos seis anos, “Esse núcleo vai concentrar áreas do governo em um lugar só, para que as políticas conversem entre si em prol da criança desde a primeira infância, ou seja, do zero aos seis anos de idade. Os visitadores vão trazer para cada núcleo as necessidades do seu território para que eles tracem uma estratégia específica para aquela comunidade” disse a secretária.

O Nipis será composto por representantes do Centro de Referência de Assistência Social (Cras); Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas); Programa Criança Feliz Brasiliense; Centro de Atenção Psicossocial (Caps); Núcleo Ampliado à Saúde da Família (Nasf); de coordenações regionais de ensino; e do Conselho Tutelar.

O grupo deve agir em parceria com as redes sociais de cada área, reconhecendo as necessidades de cada local, apoiando principalmente crianças, fortalecendo a educação e laços familiares. Elaborando um Plano de Ação Intersetorial, nas regiões que atuarem, definindo também estratégias e compromissos.

Como explica a secretaria-executiva do Comitê Gestor do Criança Feliz Brasiliense, Fernanda Monteiro, “Esses núcleos vão trazer a primeira infância como prioridade para todos os setores. É como se fosse uma linha de cuidado para a criança. Por exemplo, se eu tenho uma criança que está sofrendo violência, quais são os fluxos que eu vou desenvolver para garantir a proteção desse menor? É para esse tipo de coisa que o Núcleo Intersetorial vai estar alerta. Antes, era mais complexo, os visitadores traziam as demandas, mas era complicado acompanhar como estava o andamento dessa demanda em cada área do governo”. esclarece Fernanda.

A primeira reunião do grupo está prevista para acontecer na primeira semana de fevereiro.

“Será realizada uma oficina com os profissionais para estabelecer como será o trabalho no território, o local das reuniões, as datas. A ideia é que as reuniões sejam mensais. Assim que for concluído o processo seletivo da nova fase do Criança Feliz, a expectativa é criar novos núcleos intersetoriais em mais oito regiões administrativas”, Pontuou Fernanda Monteiro.

Print Friendly, PDF & Email