Professores não querem greve. Sinpro-DF está sozinho fazendo politicagem

Após um ano e meio de portas fechadas, por conta da pandemia do novo coronavírus, milhares de crianças e adolescentes de 6 a 17 anos deixaram de frequentar as escolas

O indicativo de greve anunciada pelo Sindicato dos Professores, não convenceu a maioria dos profissionais do ensino do Distrito Federal, que está disposta a retornar com suas atividades a partir do dia 5 de agosto.

Alunos da educação infantil, do ensino fundamental e médio voltam, gradativamente, às salas de aula.

Após um ano e meio de portas fechadas, por conta da pandemia do novo coronavírus, milhares de crianças e adolescentes de 6 a 17 anos deixaram de frequentar as escolas, tendo uma atividade na forma remota e precária.

Leia também:
Sábado é Dia D da campanha de multivacinação do Ministério da Saúde

De acordo com levantamento feitos pelas instituições de ensino do DF, mais do dobro de alunos matriculados não tiveram acesso a atividades escolares e não conseguiram se manter aprendendo em casa.

A situação acendeu a luz de alerta do governador Ibaneis Rocha (MDB), que decidiu liberar a vacina contra covid a todos os profissionais de ensino da rede pública para o retorno seguro das atividades escolares.

A determinação do GDF tem o objetivo de minimizar os impactos da pandemia da Covid-19 na Educação.

Leia também:
Plenário aprova R$ 623,71 milhões em créditos suplementares para diversas áreas

Até agora, 20 mil doses únicas foram disponibilizadas para a categoria e mais de 15 mil profissionais do ensino se vacinaram.

Outra ação do governador, publicada no Diário Oficial do DF, da última sexta-feira(30), determina a contratação de 346 professores para a rede pública de ensino.

A decisão é zerar o banco de profissionais que restavam da aprovação do concurso homologado em 2017 e que ainda não haviam sido chamados.

A pasta prepara a nomeação desses profissionais que ocuparão a vacância de vagas abertas com exonerações, falecimentos e aposentadorias.

Leia também:
Covid-19: DF começa a aplicar reforço em profissionais da Saúde

No campo da informação, o GDF começou a veicular campanha publicitária de utilidade pública para a volta às aulas presenciais da rede pública de ensino.

De acordo com o secretário de Comunicação Wellington Moraes (foto), o objetivo é esclarecer os alunos sobre os cuidados que devem ser tomados para evitar as contaminações por coronavírus e alertar pais e comunidade escolar de que os protocolos sanitários serão rigorosos e precisam ser cumpridos.

Pais de alunos da rede publico do DF, se sentem seguros com a retomada das atividades escolares.

Leia também:
Brasil registra menor média móvel de mortes desde o início da pandemia

A volta às aulas são de fundamental importância para diminuir os impactos no desenvolvimento dos jovens e consequente retrocesso que a educação no DF sofrerá devido à pandemia.

Enquanto todos se unem para a retomada das atividades escolares, uma minoria de sindicalistas pelegos e oportunistas, tenta impor uma paralisação de goela a baixo dos professores como uso politiqueiro.

Com informações do Radar DF

Print Friendly, PDF & Email