PSDB sai enfraquecido após decisões sobre eleições na Câmara

O PSDB tinha como principal aposta para 2022 a aliança com o DEM, após a divisão no partido durante eleição para presidente da Câmara, futuro é incerto  

O PSDB decidiu deixar o bloco de apoio a Baleia Rossi (MDB-SP) na disputa pelo comando da Câmara e adotar uma posição de “neutralidade”, a exemplo do já havia feito o DEM, neste domingo (31).  Arthur Lira (PP-AL), candidato de Bolsonaro, saiu vencedor para presidir a Casa com 302 votos.

Lira já era o favorito para presidir a Câmara desde o ano passado, antes mesmo de Baleia Rossi entrar na disputa. Um deputado tucano disse na manhã de segunda-feira (1), que Arthur Lira era o vencedor da disputa. “O que nós precisamos agora é perder com dignidade”.

Baleia Rossi foi escolhido e o governador de São Paulo, João Doria, o maior expoente do PSDB, trabalhou por sua candidatura.

Doria, para manter o partido no bloco de apoio do candidato do MDB à presidência da Câmara, ligou para diversos deputados do PSDB. O foco é manter viva a aliança do PSDB, DEM e MDB para as eleições presidenciais de 2022.

Duarte Nogueira, prefeito tucano de Ribeirão Preto (SP), tentou nessa segunda-feira conter a debandada de correligionários. Mas os dissidentes se reuniam na casa de um deputado.

Sendo assim, a derrota de Baleia entra na conta do PSDB.

Por que não o MDB? Baleia escolheu mais o lado de Rodrigo Maia, do que a do seu próprio partido. Trata-se de uma legenda muito fragmentada, com vários aliados ao Planalto. Quando o DEM resolveu se aliar a Lira, participou de sua vitória em 1º turno.

As chances do PSDB continuar a se enfraquecer pode ser significativa, a ponto de virar uma legenda inexpressiva. Apesar de uma possibilidade difícil, o único jeito de mudar esse cenário seria lançando um candidato para as eleições de 2022.

Print Friendly, PDF & Email