Revista Veja Matéria: Presidente da República Jair Bolsonaro cumprimenta e fala com admiradores ao sair do Palácio do Planalto. Foto: Cristiano Mariz Data: 04/10/2019 Local: Palácio do Planalto - Brasília - DF

“Quem não estiver contente comigo, tem Lula em 2022”, diz Bolsonaro

Bolsonaro voltou a fazer críticas ao isolamento social adotado por governadores e prefeitos  

Nesta terça-feira (25), o presidente Jair Bolsonaro discutiu com uma apoiadora. Após a mulher pedir para que ele tome alguma providência para não deixar o “povo sofrer”, Bolsonaro disse irritado que quem está insatisfeito com a sua gestão pode votar em outro candidato à Presidência da República no ano que vem.

“O senhor é o chefe da nação, das Forças Armadas. Por que deixa o povo sofrer assim? Seus ministros sofrerem, o senhor sofrer”, indagou a eleitora de Bolsonaro.

O chefe do Executivo respondeu: “Você passou 30 anos votando em quem? Em que tipo de gente? Calma lá, vamos com calma que o negócio é sério. Quer ditadura, não é comigo. Para quem não está contente comigo, tem Lula em 2022”.

A mulher tentando se explicar, disse que o apoia e que ele tem feito um bom trabalho à frente do Palácio do Planalto. Bolsonaro voltou a rebatê-la, “Não entendi mal, não. A senhora pode ser uma grande candidata em 2022 para chegar, assumir, e resolver os problemas”

Leia também:
“Temos que partir para um regime como o português, francês”, diz Sarney

Bolsonaro fez novamente reclamações às políticas de isolamento social adotada por governadores e prefeitos como tentativa de prevenir a disseminação da Covid-19. O mandatário citou o exemplo do prefeito de Araraquara (SP), Edinho Silva (PT), que instituiu um lockdown severo no município e conseguiu ser reeleito no ano passado.

“O pessoal reclama de alguns prefeitos, igual aquele lá de Araraquara. Ele deitou e rolou com o lockdown, e foi reeleito. Então, por favor, não me venha mais me falar dessa maneira comigo porque, se o cara foi reeleito, é porque estava fazendo coisa certa. E continua fechando Araraquara. Se a Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) não socorre com dezenas de toneladas de alimentação, o povo lá estava numa situação bastante complicada”.

Print Friendly, PDF & Email