Reservatórios de Brasília estão com capacidade máxima de água

A barragem do Descoberto atingiu o nível máximo de água com 100%, o grande volume de água é uma garantia de que neste ano não faltarão recursos hídricos

Devido às últimas chuvas registradas na capital federal, um dos principais reservatórios de Brasília, barragem do Descoberto, atingiu o nível máximo de água com 100% desde o dia 15 de fevereiro. Segundo a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF (Adasa), no início do mês de fevereiro, o reservatório do Descoberto registrava 84,1% de volume útil, e o de Santa Maria 96,3%.

O grande volume de água nas barragens traz a garantia de que não faltará recursos hídricos durante o ano, ao contrário do que aconteceu na crise hídrica de 2017, quando o reservatório chegou à porcentagem de 5,3%. De acordo com a Adasa o ideal é que o nível se mantenha assim até o fim da estação chuvosa, pois quanto mais tempo os reservatórios permanecem cheios, maior a segurança para o abastecimento no período da estiagem. 

Eloneide Meneses, gerente de Recursos Hídricos e Segurança de Barragem da Caesb, explica: “Para os reservatórios Santa Maria e Descoberto o ideal é que atinjam o volume máximo entre dezembro e fevereiro e se mantenham assim até pelo menos o final da estação chuvosa”.

O professor de Zoologia da Universidade de Brasília, Eduardo Bessa, ressalta que Brasília é uma região climática marcada pela sazonalidade das chuvas, com uma seca extensa e muito prolongada, nenhum reservatório em 100% da capacidade será suficiente se a população não contribuir, consumindo água de maneira comedida.

O especialista destaca também que os reservatórios têm três importantes papéis no DF. Disponibilizar água para consumo da população, aumentar a umidade do ar durante os meses de seca e ser um espaço de lazer e beleza cênica. 

Cuidado redobrado

O Correio Braziliense procurou a Subsecretaria do Sistema de Defesa Civil, vinculada à Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF) e informou que, quando os níveis dos reservatórios estão altos, a Companhia Energética de Brasília (CEB) aciona a pasta e o Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF), avisando da abertura de comportas.

A Defesa Civil ressaltou que está em estado de alerta para avisar os moradores das proximidades, inclusive com uso de helicópteros para monitorar a região. Como a comunidade ribeirinha precisa atravessar o rio para comprar alimentos, a Defesa Civil também informou que pode prestar assistência humanitária, com doação de colchões e cobertores e cestas básicas.

A CEB afirmou ainda que pediu para que a população siga atenta, respeite os avisos e evite circular às margens do rio durante o período em que as comportas estão abertas, o que inclui a prática de pesca, caminhada e banho no local.

Vanusa Araújo (46), e Francivaldo do Nascimento (56) tiveram sua casa inundada até a metade da garagem. Eles moram na região do Núcleo Rural Boqueirão, próximo ao Paranoá e vivem às margens do Rio São Bartolomeu, banhado pelas águas vindas da Barragem do Lago. O nível da água subiu em aproximadamente três metros, cobrindo também a rua da frente, que normalmente separa a residência da correnteza.

“De manhã cedo, quando acordei, o rio já estava bem cheio, na beirada da pista. A CEB e os bombeiros vieram e acompanharam o nível até de noite. Desde que o aconteceu em Brumadinho, eles ficaram mais atenciosos e nos alertam sempre quando vão abrir as comportas. Mas algo assim nunca tinha acontecido”, afirmou a moradora do local, Vanusa.

Print Friendly, PDF & Email