Reviva Parque: cidadãos poderão adotar parques no DF

GDF lança programa para regulamentar investimentos civis em 82 áreas de conservação ambiental  

Por meio do Decreto nº 41.865, o Governo do Distrito federal lança o Reviva Parque. Antes com o projeto Adote uma Praça, que visa reformas de áreas públicas com o apoio da sociedade civil, agora se estende aos parques e áreas de conservação dos parques do DF. O foco do programa, que terá ações em parcerias entre órgãos e entidades do DF, do Governo Federal, pessoas físicas, jurídicas e a sociedade civil organizada, é proporcionar lazer, cultura, turismo, esporte, revitalização, melhores e manutenção nos parques e demais unidades de conservação.

Quem for investir em uma das unidades, como a reforma de banheiros, pinturas ou em outros investimentos, poderão utilizar em caráter temporário e transitório, uma das áreas do parque, seja para a divulgação da marca, no caso de uma empresa, ou na realização de uma atividade por um profissional liberal de educação física.

“É uma proposta semelhante ao Adote uma Praça, porém voltada às unidades de conservação”, conta o presidente do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), Cláudio Trinchão. “É trazer a sociedade para mais perto da conservação desses espaços”, completa.

“As parcerias previstas no Reviva Parque, tanto com órgãos do governo como da iniciativa privada, serão de grande importância para melhorar a infraestrutura desses espaços. Não se trata de privatizar os nossos parques, mas oferecer maior conforto aos brasilienses que frequentam e têm muito orgulho das áreas verdes da capital.. Serão recursos a mais que estarão entrando numa época de contenção orçamentária”, disse o secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho.

Parques e reservas

Há 82 unidades de conservação no Distrito federal, entre Áreas de Preservação Ambiental, Áreas de Relevante Interesse Ecológico (Aries), Parques Distritais e Ecológicos, Monumentos Naturais, Reservas Biológicas (ReBios), Refúgios Silvestres, Floresta Distrital e a Estação
Ecológica de Águas Emendadas.

Até agora, 19 órgãos e empresas públicas do GDF estão envolvidas no programa, entre elas a Companhia Urbanizadora de Brasília (Caesb), a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) e o Serviço de Limpeza Urbana (SLU).

De acordo com o subsecretário-geral do Ibram, Thulio Moraes, o programa chega para oficializar uma força tarefa que já existe, porém agora com a viabilidade e respaldo jurídico. “Faltava um instrumento que legitimar esse tipo de parceria”, explica.

Print Friendly, PDF & Email