Saúde da Família cobre 65% das residências do DF e deve chegar a 75% neste ano

Meta da Secretaria de Saúde é alcançara 100% de cobertura. Atendimentos nos lares das famílias pela mesma equipe reforça o vínculo entre profissionais de saúde e famílias. Atenção Primária soluciona 85% das demandas de saúde que entram diariamente nas Unidades Básicas de Saúde

Saúde da Família é um programa que tem como objetivos a prestação, na unidade de saúde e no domicilio, de assistência integral, contínua, com resolubilidade de boa qualidade às necessidades de saúde da população adstrita; intervir sobre os fatores de risco aos quais a população está exposta; eleger a família e o seu espaço social como núcleo básico de abordagem no atendimento à saúde; humanizar as práticas de saúde através do estabelecimento de um vínculo entre os profissionais de saúde e a população, entre outros.

A Estratégia Saúde da Família cobre 65% das residências do DF. Segundo o Plano Distrital de Saúde de 2021, o atendimento deve chegar a 75% de cobertura ainda este ano.  “Nossa meta é alcançar 100% de cobertura”, destaca o coordenador de Atenção Primária da SES, Fernando Erick. “Queremos expandir em quantidade de força de trabalho e na qualificação dos processos, para chegar mais perto da população e levar os serviços para dentro das casas”.

Uma recém-nascida recebeu sua primeira consulta em casa, no Setor O, em Ceilândia. Marcella de apenas 12 dias, que estava com a temperatura elevada, recebeu a visita da equipe de Estratégica Saúde da Família (ESF) no colo da sua mãe, Tamires Silveira Carvalho (31). Marcella foi examinada pela doutora Areda de Paula Almeida Leitão.

Leia também:
Ibaneis pretende vacinar toda a população do DF até o fim do ano

Além disso, os demais integrantes da equipe orientavam os pais sobre os cuidados necessários com a criança, esclarecendo as dúvidas e reiterando a importância da limpeza e higiene.

“Tenho muita confiança nos profissionais; eles são muito atenciosos, e tudo é feito com muito carinho”, avalia Tamires. Leandro endossa: “É uma grande comodidade poder ser atendido em casa, com tranquilidade. Isso mostra o acolhimento que é feito com a população que reside nessa área do posto”.

A ESF é isso: acolhimento, confiança, cuidado, carinho e respeito. É assim que profissionais de saúde do Distrito Federal estão entrando nas casas para prestar a assistência primária às famílias e ajudando a descongestionar os hospitais. Dados da Secretaria de Saúde (SES) indicam que a Atenção Primária soluciona 85% das demandas de saúde que entram diariamente nas UBSs.

Leia também:
Bolsonaro diz que não tomará a vacina

Cada grupo de 3.450 pessoas é atendido sempre pela mesma equipe, formada por um médico de família, um enfermeiro de família, até dois técnicos de enfermagem e um agente comunitário de saúde. São esses profissionais que visitam os pacientes em suas residências, verificam o estado de saúde deles e, quando preciso, fazem os encaminhamentos às UBSs.

A ESF é diferencial na comunidade do Setor O, avalia a enfermeira Mara Olímpia Machado, que integra a Equipe Verde na instituição. “Ao conhecermos melhor a comunidade, conseguimos criar um vínculo com as pessoas e atendê-las melhor”, explica Mara. “A Atenção Primária resolve grande parte dos problemas dos pacientes; e, quando não podemos resolver a demanda, fazemos o encaminhamento para a área especializada”.

Consulta

Leia também:
DF registra a menor taxa de transmissão por Covid-19 em 99 dias

Na mesma tarde em que fez a primeira consulta da Marcella, a Equipe esteve na casa da Inês Maria Santos, na QNO 05.  A vendedora autônoma, de 28 anos, correu para se consultar na UBS 07, ao ver o resultado positivo no teste de gravidez a que se submeteu em uma farmácia. A primeira consulta foi marcada e realizada na própria residência da paciente.

“Facilitou para mim”, contou Inês, mãe de Jheniffer Lorrany, de 8 anos. “Hoje o sol está muito quente e leva uns 20 minutos para andar até o posto. Tem dia que é a chuva. Foi muito bom a equipe ter vindo aqui”.

Na casa de Inês, a equipe fez o teste rápido de HIV e sífilis e já forneceu os resultados na hora. Depois foi a vez do Mãezinha, que é um conjunto de exames. A equipe também mediu a pressão arterial, calculou a idade gestacional e entregou o Cartão Pré-Natal, com a próxima consulta de Inês já agendada para 1º de abril, às 14h.

Leia também:
Bolsonaro sobre Renan Calheiros: “vagabundo é elogio para ele”

*Com informações da Agência Brasília

Print Friendly, PDF & Email