Segundo Codeplan, com pandemia 34.649 postos de trabalho foram perdidos no DF

Segundo Codeplan, com pandemia 34.649 postos de trabalho foram perdidos no DF

Entre julho de 2020 e janeiro de 2021, houve recuperação das oportunidades de emprego, mas ainda não foram suficientes para superar as perdas

De acordo com uma pesquisa da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan), o Distrito Federal teve o fechamento de 34.649 postos de trabalho durante os meses da crise sanitária, causado pelo novo coronavírus. O combate à Covid-19 começou em março de 2020, com isso pelo menos 9.370 vagas de emprego desapareceram. Em abril, o número cresceu para 17.092; já em maio, o mercado perdeu 5.309 vagas; em junho, foram menos 2.878 perdidas.

De acordo com a pesquisa, somente nesses quatro meses, a redução das vagas chegou a 34.649. Entre julho de 2020 e janeiro de 2021, houve uma recuperação das oportunidades de emprego.

“Os desligamentos continuaram bastante elevados. A diferença entre as admissões e os desligamentos fizeram com que o número de empregos destruídos fosse maior”, afirmou a gerente de Estudos e Contas Setoriais da Codeplan, Jéssica Milker.

Os postos de empregos mais afetados foram: faxineiros, com 16.355; vendedores de comércio varejista, com 15.367 e auxiliares de escritório, 14.049.

Leia também:  Fome na pandemia se agrava com redução das doações e ausência de auxílio emergencial

Devido aos decretos impostos pelo GDF para tentar conter a disseminação da Covid-19 na capital, os desligamentos se intensificaram, aumentando o índice de desemprego. Os mais atingidos foram os trabalhadores de 20 a 40 anos.

Oportunidades de emprego

As atividades de saúde e da construção civil foram as principais responsáveis pela criação de vagas. Cresceram as oportunidades de trabalho para técnicos em enfermagem (3.048), enfermeiros (1.419) e médicos clínicos (1.368).

Após retomar as contratações, o DF demonstrava recuperação até fevereiro de 2021.

“O mercado estava se recuperando bem, porém, com novas medidas de restrição, as ameaças conjunturais que surgiram vão diminuir esse ritmo de recuperação. Vamos aguardar os próximos números para saber como o mercado de trabalho do DF vai responder”, disse Jéssica Milker.